Prefeitura inaugura nova área para aves de rapina na ‘Bica’

Por - em 13

A Prefeitura Municipal de João Pessoa (PMJP), através da Secretaria do Meio Ambiente (Semam), inaugurou na manhã desta segunda-feira (27), o novo espaço Falconiforme do Parque Zoobotânico Arruda Câmara (Bica). A obra faz parte da primeira etapa do projeto de requalificação do Parque. Além da reforma das instalações para 12 espécies de aves de rapina (novo espaço Falconiforme), como por exemplo, os gaviões, o público que for à Bica vai ganhar no próximo sábado (2) dois novos espaços: o Caminho dos Pássaros, uma área para aves de pequeno porte, onde os visitantes vão poder entrar e ficar lado a lado dos animais, e a Casa dos Répteis, que vai abrigar serpentes e lagartos.

Na oportunidade, o secretário de Turismo de João Pessoa, Elzário Pereira Júnior, abriu as comemorações pelo Dia Mundial do Turismo, com o lançamento da campanha ‘Biodiversidade’.

Visitantes puderam conferir o local como o costureiro Fabiano Félix, que esteve na Bica pela última vez há 15 anos. Acompanhado pelo filho, Samuel, de apenas quatro anos, ele disse que ficou impressionado com o que viu. Mudou bastante, está tudo muito bonito, afirmou Fabiano. Esta é a primeira vez que o Parque é contemplado com uma reforma geral e que vai proporcionar o aumento da capacidade de receber novos animais e ao mesmo tempo trazer maior conforto a quem nos visita, destacou o diretor da Bica, Edilson Batista de Lima.

De acordo com o chefe da Divisão de Zoológico, Thomaz Pires, estas três primeiras etapas contribuem para implantação da ‘nova cara’ da Bica. O objetivo é que nos próximos anos, o Parque, que hoje possui 480 animais de 68 espécies, se torne um dos melhores da região Nordeste. Já somos pioneiros na reprodução de algumas espécies em cativeiro, como por exemplo, o Jacaré de Papoamarelo e queremos continuar a proporcionar qualidade de vida aos nossos animais e cada vez mais uma melhor infraestrutura ao público que nos visita, completou Thomaz Pires. Em épocas de pico, como as férias escolares do início e meio do ano, a Bica chega a receber duas mil pessoas por dia.

Requalificação – O projeto de requalificação do Parque engloba 36 ações, entre elas a construção, em andamento, da OCA, que será destinada à educação ambiental; a reforma da Fonte Tambiá e o conjunto de píer, trapiche e passarela. Estas últimas devem ser concluídas até o mês de dezembro deste ano.

História da Bica – O Parque Zoobotânico Arruda Câmara, mais conhecido por “Bica”, tem 26,8 hectares e está localizado em uma área de resquício de Mata Atlântica. Tem flora relativamente diversificada, composta por espécies vegetais seculares, onde podem ser observadas árvores nativas de grande porte, como as mungubas e os jequitibás. Há ainda árvores centenárias, como castanholas e gameleiras, sombreiros e chichás, e ainda os ipês amarelos e as cajeiras.

A denominação de Parque Arruda Câmara foi oficializada em 1922. Nesta época constitui-se como um pequeno zoológico, com introdução de animais nativos da região Nordeste. Em 1930 foi instalada a primeira sementeira da Capital. Ao longo do tempo o Parque consolidou sua estrutura física e em 1995, passou por intensa reforma na área de lazer, diversificando suas atrações. Nesta reestruturação foram incluídos os passeios de quadriciclos, trenzinho e pedalinhos no Lago das Cinco Fontes.

Em 21 de setembro de 1999 o Parque recebe do Instituto Brasileiro de Meio Ambiente (Ibama), o registro oficial de Zoológico Categoria “A”. E finalmente em 2006 é reconhecido, por Lei, como Parque Zoobotânico Arruda Câmara.