Prefeitura lança campanha de combate à violência contra a mulher

Por - em 33

O prefeito de João Pessoa, Luciano Agra, recebe a imprensa e convidados para o lançamento da campanha “4 anos reescrevendo novas histórias”, do Centro de Referência da Mulher Ednalva Bezerra, nesta terça-feira (4) a partir das 8h30, no Coelhos Bar e Restaurante, localizado no bairro dos Bancários. Este ano, o foco da campanha abordará que a violência contra a mulher não atinge só à vítima, mas também toda a família.

“Quando uma mulher vive em situação de violência, todas as pessoas que a ama sofrem, se envolvendo e, consequentemente, absorve todo desgaste da situação”, afirmou Nézia Gomes. As peças publicitárias vão ser apresentadas durante o evento e veiculadas na mídia local durante o mês de outubro.

A campanha, segundo a secretária de Políticas para as Mulheres, Nézia Gomes, tem o objetivo de divulgar os serviços do Centro de Referência, que atende mulheres em situação de violência, assim como estimular a sociedade a refletir sobre a temática. “Todo ano a Prefeitura lança uma campanha institucional de enfrentamento a violência doméstica e de divulgação do Centro de Referência da Mulher. Nossa proposta é pautar a temática na sociedade e reafirmar o compromisso dessa gestão com políticas de combate a toda forma de violência contra a mulher”, disse a secretária.

O Centro de Referência da Mulher oferece atendimento psicológico, social e jurídico, disponibilizando também, terapias lúdicas e educativas para as usuárias. Inaugurado em setembro de 2007, o serviço funciona de segunda a sexta-feira, das 07 às 19 horas, na Rua Afonso Campos, 191 – Centro. Também atende através do telefone 0800 283 38 83, cuja ligação é gratuita.

Tipos de violência contra a mulher

Física: socos, empurrões, beliscões, mordidas, chutes, pauladas, queimaduras, cortes, facadas ou tiros.

Sexual: é quando a mulher é forçada a ter relações sexuais contra sua própria vontade, mesmo com o marido ou parceiro. Se a vítima for uma criança ou adolescente, este crime é conhecido como abuso sexual.

Moral: calúnias, difamações ou injúrias à honra ou a reputação da mulher.

Psicológica: insultos, ofensas, intimidações, manipulações, humilhações e ameaças que atingem a auto-estima das mulheres. O agressor muitas vezes proíbe a vítima de se expressar, sair de casa, estudar e trabalhar.

Patrimonial: retenção e/ou destruição de instrumentos de trabalho, documentos, dinheiro ou cartões de créditos, e ainda não pagamento de pensão alimentícia.