Prefeitura planeja ações para ajudar cidades atingidas pelas chuvas

Por - em 24

A Prefeitura de João Pessoa (PMJP) vai prestar ajuda aos municípios paraibanos atingidos pelas chuvas. A decisão surgiu após reunião do prefeito Ricardo Coutinho (PSB) com os órgãos da administração municipal que compõem a Comissão de Defesa Civil da Capital, na tarde desta segunda-feira (7). Esses órgãos estão planejando ações de mobilização com a finalidade de coletar alimentos, roupas e cobertores para os desabrigados.

Uma nova reunião irá acontecer nesta terça-feira (8), quando se define a participação de cada um dos órgãos. A coordenadora do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), Roberta Abath, lembrou que alguns profissionais do serviço já estão ajudando nas unidades de saúde do município de Sousa, no Sertão paraibano.

O prefeito determinou que a rede administrativa da Capital do Estado se mobilizasse para contribuir com a população dos municípios mais prejudicados. “A idéia é fazer uma campanha para arrecadação de mantimentos e agasalhos, com a união do poder público e sociedade”, comentou Ricardo Coutinho.

Em João Pessoa
– A reunião foi convocada em caráter extraordinário pelo prefeito e aconteceu no Paço Municipal, no Centro da cidade. O objetivo foi tratar de medidas preventivas e assistenciais às cerca de 50 mil famílias que vivem nas 28 áreas de risco da Capital.

Nesse fim de semana, aproximadamente 30 famílias que residem no Porto do Capim, Alto do Mateus e Ilha do Bispo foram retiradas de suas casas pela Defesa Civil Municipal, devido ao alagamento desses locais provocado pela cheia do rio Paraíba e a maré alta de 2,7 metros. As famílias foram levadas para casa de parentes e abrigos provisórios.

Ricardo Coutinho determinou a assistência médica imediata às pessoas que estão nos abrigos. O trabalho deverá ser feito pelas equipes do Programa Saúde da Família (PSF) que atuam nas comunidades. Além disso, também serão providenciados alimentos e cobertores. A Secretaria do Desenvolvimento Social (Sedes) vai mapear possíveis locais que possam servir de abrigos provisórios, caso mais famílias precisem ser retiradas de suas casas.

Outra ação fará um levantamento da estrutura das residências dessas pessoas. O coordenador da Defesa Civil, Manoel Duré, lembrou que algumas edificações não têm mais condições de abrigar os seus moradores. O prefeito orientou que as residências comprometidas devem ser incluídas no Programa de Subsídio Habitacional (PSH), que está transformando as habitações de taipa em imóveis de alvenaria.

Prevenção – A preocupação do prefeito e da Comissão de Defesa Civil Municipal é que mais famílias possam ficar desabrigadas neste mês de abril, visto que, segundo Duré, o serviço de meteorologia prevê a ocorrência de chuvas acima da média na Capital. “As famílias que tiveram de ser relocadas neste fim de semana, ficaram prejudicadas por conta da cheia do rio Paraíba e não por conta das chuvas que atingiram a cidade. Nossa preocupação é que a situação se agrave, quando começar de vez o período chuvoso no Litoral”, comentou Roberta Abath.

Participaram da reunião representantes da Defesa Civil, Autarquia Especial Municipal de Limpeza Urbana (Emlur), Samu, Guarda Municipal e secretarias de Infra-Estrutura (Seinfra), Desenvolvimento Social (Sedes) e Comunicação (Secom).