Prefeitura realiza campanha de prevenção e combate à violência contra a mulher

Por Fátima Sousa - em 474

Sob o tema: “Sou mulher, quero viver”, a Prefeitura Municipal de João Pessoa (PMJP), por meio da Secretaria Extraordinária de Políticas Públicas Para as Mulheres (SEPPM), faz campanha de combate à violência contra a mulher, durante a prévia carnavalesca Folia de Rua e o Carnaval Tradição da Capital.

A ação envolve equipes da Secretaria atuando com abordagens e entrega de material impresso de conscientização e divulgação dos locais onde a mulher pode denunciar atitudes de importunação sexual e violência durante o percurso de blocos e locais de concentração.

A secretária da SEPPM, Adriana Urquiza, explica a escolha do tema. “Há necessidade de se reverter um quadro alarmante, promovendo a percepção das pessoas sobre o lado obscuro e cruel da violência, que tanto nos assola vitimando milhares de mulheres. Enquanto política pública, é importante trabalhar mais a percepção da alegria de viver em paz, do respeito aos direitos e do empoderamento. Em especial nessa época de Carnaval, a mulher deve ser protegida e poder cair na folia usando a fantasia que quiser”, diz a secretária.

O material de divulgação, em formato de leques, que será distribuído durante as prévias carnavalescas e nos principais eventos, leva os principais serviços da Secretaria, de apoio e acolhimento à mulher disponível pela gestão municipal.

“Infelizmente, ainda é muito comum que durante as festas de Carnaval as mulheres sofram violência ou algum tipo de abuso ou assédio. Por isso, a importância de reforçar a campanha, debatendo sobre a valorização da mulher e o enfrentamento a violência”, comenta Adriana Urquiza.

A Ação envolve as parcerias da Secretaria de Desenvolvimento Social (Sedes), Fundação de Cultura de João Pessoa (Funjope) e da Guarda Municipal.

Denúncia – A secretária Adriana Urquiza destaca que as mulheres podem denunciar abusos ou constrangimentos que por ventura venham a sofrer durante as festas. “Elas podem ligar para o Disque 180 para serem orientadas sobre como proceder com a denúncia. Se a agressão for sexual, é necessário procurar o serviço especializado do Instituto Cândida Vargas, em no máximo 72 horas”, afirmou.

Outro número importante é o 0800 283 3883, do Centro de Referência da Mulher Ednalva Bezerra, que acolhe mulheres em situação de violência doméstica e familiar. Ainda há o Programa Ronda Maria da Penha, cujo objetivo é o monitoramento de medidas protetivas de urgência, expedidas pela Vara da Violência Doméstica e Familiar. O contato é 98654-3125.

Todos estes números funcionam o ano todo. Os profissionais que atendem são aptos a fornecer o encaminhamento necessário às mulheres em cada situação específica.

Serviços:

– Disque 180 – Denúncia de abusos ou constrangimentos

– 985543125 – Ronda Maria da Penha

-0800.283.3883 – Centro de Referência da Mulher Ednalva Bezerra