Procon-JP alerta consumidor para calotes em compras nas redes sociais

Por Evanice Gomes - em 495

Quem pretende fazer compras nesse período de Black Friday utilizando a internet deve ficar em alerta para não sofrer prejuízos. O consumidor só deve adquirir os produtos em sites de compras devidamente registrados (que tenham CNPJ) e ficar atento para aquelas ‘promoções’ em redes sociais como facebook e instagran, por exemplo.

Para deixar o cidadão mais bem preparado para essas promoções, a Secretaria Municipal de Proteção e Defesa do Consumidor aconselha ao consumidor que só adquira produtos em lojas que tenham procedência no mercado e que sejam devidamente legalizadas. “Observando esses princípios básicos, a pessoa fica acobertada caso ocorra algum problema, e em condições de acionar os órgãos de defesa do consumidor”, informa o secretário do Procon-JP, Helton Renê.

Outra orientação do titular do Procon-JP é quanto ao cadastro do consumidor nos sites de compras de sua confiança. “Quem tiver condições de se cadastrar em lojas virtuais de sua confiança é o recomendável, até porque se pode ganhar tempo. A pessoa já vai atrás do que necessita ou deseja comprar, recebendo, inclusive, as dicas de valores por email. Também é importante prestar atenção à maquiagem nos preços, verificando se o valor do produto sofreu mesmo redução em relação à uma semana, por exemplo”.

Devolução  Em compras pela internet, pode-se devolver a mercadoria à loja em um prazo de sete dias, contados a partir do recebimento do produto. Nesse caso, se o consumidor desejar, o fornecedor é obrigado a fazer a restituição do valor. O consumidor também deve ficar atento aos prazos de entrega. De acordo com Helton Renê, entre as queixas mais comuns em compras através de lojas virtuais estão fraudes, uso indevido dos dados pessoais, bem como a demora na entrega do produto, inclusive fora do prazo.

O secretário reafirma: “Antes de escolher o site para realizar suas compras, é importante que o consumidor busque referências sobre a loja em questão. A escolha criteriosa do fornecedor pode ser decisiva para garantir que as expectativas sejam atendidas. Tudo isso deve ser considerado para evitar problemas futuros e que o mais barato não se torne uma dor de cabeça em curto prazo”.

Helton Renê acrescenta que as pessoas devem conferir se a empresa existe de fato e de direito (CNPJ, endereço e telefone de contato), e entrar logo em contato com os órgãos de defesa do consumidor em caso de dúvida ou se identificar algum problema durante a transação.

Serviço de atendimento do Procon-JP

SAC – segunda-feira a sexta-feira: 8h às 14h na sede situada na Avenida D. Pedro I, nº 473, Tambiá

Telefones: segunda-feira a sexta-feira das 8h às 14h: 0800 083 2015, 2314-3040, 3214-3042, 3214-3046

MP-Procon – segunda-feira a sexta-feira: 8h às 17h na sede situada no Parque Solon de Lucena, Lagoa, nº 300, Centro

Site – proconjp.pb.gov.br