Orientação para os pais sobre compras no Dia das Crianças

Por - em 67

Na semana em que o comemorado o ‘Dia das Crianças’, cuja data é celebrada nesta quarta-feira (12), o Procon de João Pessoa alerta os consumidores para uma série de cuidados que devem ser tomados na hora da compra dos presentes. Cobrança da nota fiscal, produtos apropriados para a faixa etária da criança, segurança do brinquedo e instruções de uso claras e em língua portuguesa são alguns das recomendações que devem ser seguidas pelos consumidores.

Os produtos importados devem inspirar atenção redobrada dos pais. De acordo com o chefe de fiscalização do Procon-JP, Vamberto Alexandre de Souza, mesmo que os produtos sejam importados dos Estados Unidos ou China, as instruções devem ser expressas em português. “Já estamos em campo com essa fiscalização e os produtos poderão ser recolhidos caso o Procon-JP detecte esta irregularidade”, afirmou.

Durante o processo de escolha dos presentes, o Procon-JP também alerta para dois aspectos relevantes na compra dos presentes. “É imprescindível que os pais fiquem alertas quanto à indicação dos produtos. Existem produtos específicos para todas as idades e os pais devem escolher um produto compatível com a idade dos filhos para evitar problemas”, ressalta Vamberto Alexandre.

A segurança das crianças é outra preocupação com a escolha dos produtos. Por isso, o Procon-JP ressalta a importância da compatibilidade dos produtos com a idade. Dentro deste aspecto, Vamberto Alexandre lembra dos cuidados com as bicicletas. De acordo com ele, na compra deste brinquedo deve haver atenção redobrada com a segurança, especialmente com as rodas laterais. Segundo pesquisas do Procon-JP, diversos acidentes com as bicicletas para crianças já foram registrados e a orientação é que se façam testes antes de comprar o produto.

Notas fiscais – Escolhido o presente, os pais ainda devem estar atentos e exigirem a nota fiscal. Vamberto Alexandre lembra que a nota fiscal é a única garantia que os consumidores possuem após a compra. “É o principal instrumento para que os compradores consigam trocar o produto ou até reclamar em caso de algum problema com o produto”, acrescenta o chefe da fiscalização do Procon-JP