Atendimento a doença falciforme é tema de capacitação

Por - em 30

A Secretaria Municipal de Saúde (SMS) promove nesta quinta-feira (8) uma qualificação destinada a profissionais médicos, enfermeiros, assistentes sociais e demais trabalhadores do acolhimento dos hospitais de emergência. A Qualificação sobre Abordagem dos Eventos Agudos – Doença Falciforme será realizada a partir das 14h, no Complexo Hospitalar Governador Tarcísio Burity, em Mangabeira (Ortotrauma).

Desde 2009 a Secretaria Municipal de Saúde vem dando destaque ao cuidado com o paciente da doença falciforme. A portaria Nº. 02/2009 coloca a anemia falciforme como doença de interesse municipal para notificação compulsória. Em 2010 foi criado o Programa Municipal de Promoção e Atenção Integral às Pessoas com Doenças Falciformes através da Lei Nº. 11.641/2010, e em 2011 foi criada a Área Técnica de Saúde da População Negra para implementar o Programa juntamente com a Política Nacional de Saúde Integral da População Negra.

“Tais ações representam a introdução de uma nova abordagem na saúde que encaminhe seus serviços, de forma adequada, à realidade cultural, social e racial de sua população”, afirma Dandara Correia, coordenadora da Área Técnica de Saúde da População Negra.

Como evento agudo, Dandara exemplifica as crises de dor como representação do mais evidente quadro clínico das pessoas com anemia falciforme. A sua intensidade e frequência podem variar entre as pessoas, mas sempre estão presentes gerando situações desconfortáveis.  Dessa forma, a reclamação de dor dessas pessoas deve se acolhida e levada a sério.

A Doença Falciforme é genética e deforma as hemácias, dificultando a oxigenação do sangue. Mesmo representando o número de 3% na população brasileira, a doença ainda é marcada pelo desconhecimento, o que é uma das causas que dificulta o tratamento e eleva as taxas de mortalidade.  Neste sentido, o Programa Municipal de Promoção e Atenção Integral às Pessoas com Doença Falciforme propõe uma série de iniciativas que visam romper com a invisibilidade da doença e promover ações de saúde e assistência que culminem numa revolução nas suas formas de cuidado.