Programa de Educação Patrimonial encerra capacitação de monitores

Por - em 37

Os 32 monitores dos cursos de História, Geografia, Turismo e Arquitetura da Universidade Federal da Paraíba (UFPB) concluem nesta terça-feira (27) a capacitação no projeto “O Futuro visita o passado”, parte integrante do Programa de Educação Patrimonial, criado através de ação conjunta entre o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional na Paraíba (Iphan-PB), UFPB e a Prefeitura de João Pessoa (PMJP), envolvendo a Secretaria de Educação e Cultura (Sedec) e Secretaria de Planejamento (Seplan), por meio da Coordenadoria de Patrimônio Cultural (Copac).

A oficina, iniciada no último dia 12 deste mês, teve a duração de duas semanas com a realização de trabalhos diários e contou com formações teóricas, realizadas no Centro Cultural São Francisco. Os estudantes também tiveram aulas de campo, que incluíram visitação ao Mercado Público de Mangabeira, onde foram ampliadas as noções de patrimônio cultural e visitaram o Mestre Zequinha de Bayeux. Nesta última parada, os monitores conheceram a manifestação artística do Cavalo Marinho e puderam estar inseridos no universo do patrimônio cultural imaterial.

A professora da UFPB, Isabella Virgínio, que integrou a equipe de capacitadores apresentando a palestra “Educação Patrimonial: Novos olhares sobre o patrimônio histórico e cultural”, afirma que as oficinas são fundamentais para que a implementação do projeto tenha êxito. “Não podemos simplesmente apresentar os lugares históricos para essas crianças. Precisamos desenvolver as ligações que cada ser fará com a comunidade. É fundamental buscar a identificação dessas pessoas com o patrimônio, pois lidar com ele é trabalhar com sensibilidades diferenciadas e este é o grande desafio dos monitores”, explicou.

Isabella Virgínio destacou ainda a importância de João Pessoa se antecipar na implantação de um projeto como “O Futuro visita o passado”. “A Educação Patrimonial não consta ainda nos currículos e no material didático das escolas, por isso deve ser aplicada de forma sistemática e estruturada. Este projeto vai marcar a formação da educação no município”, concluiu.

Segundo a estudante do 5° período do curso de Arquitetura, Tamilla Renelly, as oficinas possibilitaram a aquisição de noções fundamentais para realização das aulas. “A capacitação foi importante para que nós, monitores, entendêssemos que esse trabalho não é de ser guia turístico para os estudantes, como eu imaginava. Percebi que é algo maior. O que realmente se busca é fazer com que as crianças se sensibilizem e se apropriem do patrimônio. Pretendemos dar a elas a percepção do significado e do valor que ele tem e fazer com que se sintam parte integrante dele e de seu processo de preservação”, comentou a universitária.

Avaliação – Marcando o término dessa etapa de atividades, será realizada hoje, ainda no Centro Cultural São Francisco, a avaliação do aprendizado da equipe. Serão distribuídos, também, materiais de suporte pedagógico, contendo o planejamento didático das aulas, que serão ministradas por eles junto aos alunos da rede municipal de ensino, e apostilas com textos informativos sobre patrimônio, memória, cultura e a cidade de João Pessoa.

‘João Pessoa, minha cidade’– O Programa de Educação Patrimonial tem como prioridade a implantação do tema da Educação Patrimonial de forma transversal na matriz curricular da rede municipal de ensino. Suas ações são desenvolvidas de forma compartilhada, permanente e sistemática. A amplitude do projeto se concretiza na introdução de uma política pública de Educação Patrimonial no município de João Pessoa, fruto de ações integradas, favorecendo o reconhecimento, valorização, preservação, apropriação e uso sustentável dos bens culturais. O resultado disso é o fortalecimento da identidade cultural e da cidadania dos pessoenses.