Programas da PMJP contribuem para redução da taxa de analfabetismo

Por - em 48

A Prefeitura Municipal de João Pessoa (PMJP) reforça o compromisso de resgate ao convívio social das pessoas através da erradicação do analfabetismo. Para isto, são diversos os programas de alfabetização de crianças, jovens e adultos, que garante a possibilidade de exercer a cidadania, além de tarefas consideradas básicas do cotidiano. Nesta quarta-feira (16) foram liberados os dados do Censo 2010, que apontam um crescimento na taxa de pessoas maiores de dez anos alfabetizadas. Há dez anos, esta taxa era de 89,46% de alfabetizados naquela faixa etária. Em 2010, esse percentual subiu para 92,4%.

No ano de 2011, a PMJP contabiliza mais de 16 mil pessoas alfabetizadas nos diversos programas oferecidos pelo sistema municipal de ensino. Além da alfabetização de crianças no ensino regular da rede municipal de ensino, há programas direcionados para jovens e adultos a partir de 15 anos. Programas como ‘Brasil Alfabetizado’, ‘Projovem’ e ‘Educação de Jovens e Adultos’ (EJA) são responsáveis por inserir adultos na sociedade através da leitura.

Para os alunos que ingressaram nos programas da PMJP, o resultado só trouxe benefícios para os participantes. “É como você sair da escuridão e ir para a claridade”, resume o estudante e agente de limpeza Francisco Moreira da Silva, de 43 anos, que concluiu neste ano o processo de alfabetização. De acordo com o agente de limpeza, a sensação de aprender a ler depois de adulto é a mesma que tirar uma venda dos olhos. “Não tem sensação igual a você saber se guiar, ler o nomes das ruas e não ser enganado”, afirmou.

Também com a conclusão do processo de alfabetização através do programa ‘Brasil Alfabetizado’, a agente de limpeza Maria do Socorro da Costa comemora o fato de andar sozinha na rua sem se preocupar em pedir informações. “Saber o ônibus que você pega e não ter que ficar perguntando é libertador. Fazer compras e conseguir ler os preços e os nomes dos produtos também é um benefício que me deixou muito animada a continuar estudando”, garante.

Para o secretário adjunto, Dimas Lucena, da Secretaria de Educação (Sedec), o processo de alfabetização da PMJP é um trabalho que envolve uma beleza social. “Vemos a alfabetização sob uma perspectiva de inclusão social. Além da demanda normal dos alunos matriculados nas escolas regulares da rede municipal de ensino, os jovens a partir de 15 anos têm ganho uma força extra e estímulo para continuares estudando com a inclusão desses projetos direcionados à alfabetização”, afirmou o secretário.

Estímulo à alfabetização – Os resultados satisfatórios apresentados pela PMJP podem ganhar um reforço no próximo ano. Além da previsão de aumento na oferta de vagas nos diversos ciclos da alfabetização e educação de jovens e adultos. O secretário adjunto Dimas Lucena prevê a criação de uma linha de programa ‘Empreender-JP’ para os formados nas turmas dos programas de ensino oferecidos pela PMJP.

“Esse seria mais um estímulo para os alunos continuarem estudando. Queremos não só alfabetizar, mas formar empreendedores. Queremos trabalhar o processo de ensino através da convergência entra a alfabetização, educação e mercado de trabalho”, garantiu.

Alfabetização de adultos – Nas turmas formadas por alunos adultos que buscam mais oportunidades com o processo de alfabetização, o entusiasmo e o esforço são flagrantes, de acordo com a professora da rede municipal de ensino, Carla Lucena, que ministra aulas para uma turma de adultos. “É como se eles se destravassem para o mundo”, afirma.

A professora revela que há dificuldades no processo de alfabetização de adultos, mas, conforme os resultados vão aparecendo, os alunos se sentem mais motivados a continuarem nos demais ciclos pós alfabetização. “Muitos adultos não enxergam mais perspectivas de vida e, como já chegaram até aqui sem a leitura, acham que é desnecessário. No entanto, quando eles conseguem certa independência que a leitura provoca, o estímulo vem e temos mais e mais alunos dispostos a aprender”, disse.

O secretário adjunto Dimas Lucena lembra que a metodologia aplicada em cada um dos programas é aplicada de acordo com a faixa etária. “Nesses programas, a tônica é a superação através da alfabetização. Há uma grande demanda na faixa adulta e buscamos adequar a metodologia aplicada à velocidade de aprendizados dos alunos”, descreveu.

As aulas dos programas de alfabetização são ministradas por professores da rede municipal de ensino, que são cedidos para os programas. Os espaços físicos também são cedidos nas diversas escolas municipais, além, de espaços de propriedade da PMJP, a exemplo de instalações da Emlur.