Projeto Acesso Cidadão garante lazer, esporte e cultura para deficientes físicos

Por - em 2315

Aproveitar o fim de semana para tomar um banho de mar agora não é mais problema para os pessoenses e turistas com deficiência física ou mobilidade reduzida. Começaram neste sábado (15), na Praia do Cabo Branco, as atividades do projeto Acesso Cidadão ao lazer, esporte e cultura, que garante, a partir de agora, essa acessibilidade sempre aos sábados, das 7h às 12h, em frente à Fundação Casa José Américo de Almeida.

O projeto, que também prevê o acesso a jogos esportivos, lazer e cultura, é resultado de uma parceria da Prefeitura Municipal de João Pessoa (PMJP), por meio da Secretaria de Planejamento (Seplan), com a Fundação Casa José Américo; a ONG Assessoria e Consultoria para Inclusão Social; e a Fundação Centro Integrado de Apoio ao Portador de Deficiência (Funad).

Na abertura das atividades, o prefeito Luciano Agra destacou que a cidade de João Pessoa, mais uma vez, sai na frente disponibilizando uma ação ampla e integrada às pessoas com deficiência. “Sempre trabalhamos com a visão de que governar uma cidade é pensá-la de uma forma mais ampla, levando em conta sua diversidade. E é isso o que estamos iniciando hoje. Começando mais uma ação que propõe garantir bem-estar e maior qualidade de vida a muitos pessoenses”, disse ele.

Atividades – A coordenadora do Projeto, Janete Rodrigues, explica que João Pessoa, diferente de outras cidades brasileiras, é a única que está implantando um programa mais amplo de atividades. Além do acesso ao mar por meio de 13 cadeiras anfíbias, dois caiaques adaptados e duas pranchas de surf também adaptadas, o projeto irá disponibilizar duas handbikes, dois kits de bocha, e ainda um kit de vôlei sentado. Todos esses equipamentos foram adquiridos pelo governo municipal.

O trabalho ainda conta com a participação de professores e estudantes voluntários da Universidade Federal da Paraíba (UFPB) e do Centro Universitário de João Pessoa (Unipê). Uma esteira também garante o acesso dos cadeirantes até o mar. “Hoje é um dia que é nosso. Estamos nessa luta há muito tempo, com a participação de muita gente nesse projeto”, comemorou Genilson Machado, presidente da ONG AC, parceira no projeto.

A estudante de Serviço Social, Fábia Halana, de 22 anos, adorou a ideia e já programa um banho de mar para os próximos sábados. Aos quatro meses de idade, ela perdeu os movimentos das pernas e atualmente usa cadeiras de rodas ou um apoiador para se locomover. “Este é um projeto muito bom. Dá a oportunidade de fazermos coisas que as ditas ‘pessoas normais’ fazem nos esportes e no lazer. Espero que o projeto continue por muito tempo”, ressaltou.

Participação – As atividades de início do Projeto Acesso Cidadão foram comemoradas também com um café da manhã, a apresentação da Banda Acredite, e de grupos de danças formados por pessoas com deficiência. A ação contou com a participação de várias associações e do Centro de Atividades Especiais Helena Holanda.