Projeto ‘Música Minas’ realiza show em JP nesta sexta-feira

Por - em 31

Os artistas mineiros Mestre Jonas, Leopodina, Titane e Sérgio Pererê vão participar do ‘Som das 6’ desta sexta-feira (15). A vinda dos quatro artistas à capital paraibana é resultado de uma parceria entre a Fundação Cultural de João Pessoa (Funjope) e o projeto ‘Música Minas’, do Governo de Minas Gerais. O evento será a partir das 20h30, no Ponto de Cem Réis. Na ocasião, os ritmos do frevo, samba, jongo, maracatu e choro vão se encontrar com os traços do jazz, blues e rock progressivo. Os shows gratuitos serão antecedidos pela Lapinha Jesus de Nazaré, de Mandacaru.

Titane é uma intérprete por excelência. A artista faz parte da geração que renovou a MPB nos anos 80. Seu repertório cultiva compositores clássicos e emergentes. No trabalho, estão nuances de cantigas dos autores desconhecidos e as influências do congado mineiro, que é uma manifestação artístico-religiosa da população de ascendência negra.

A artista já possui cinco álbuns gravados. Em 2008, lançou o disco “Ana”, também dedicado a vários compositores da atual safra. Para o ‘Som das 6’, Titane prepara uma seleção de músicas extraídas de seus últimos trabalhos, dedicados à nova leva de autores radicados em Minas. Entre eles figuram Makely Ka, Kristoff Silva, Érika Machado, Cecília Silveira, Dudu Nicácio, Renato Villaça e Sérgio Pererê.

Como elementos de contraste, a intérprete incorpora ainda autores de sua geração, a exemplo de Chico César e Arnaldo Antunes. No palco, Titane é será acompanhada por Rafael Martini (teclado e acordeon), Rogério Delayon (violão e guitarra), Thiago Correa (baixos) e Mateus Bahiense (percussão e bateria).

Mestre Jonas – o violonista, cantor e compositor, Mestre Jonas, nasceu e cresceu em um dos maiores conjuntos de vilas e favelas de Belo Horizonte – o Aglomerado da Serra. Ele desenrolou a carreira musical no universo do samba. O artista já fez shows em diversos estados brasileiros e no exterior. Em 2010, lançou o CD “Sambêro” que recebeu repercussão positiva da crítica e do público nacional.

O repertório de “Sambero” manifesta remissões ao samba, capoeira, folia de reis, maracatu, congada, passando pelo frevo, jongo e pela tradição da canção brasileira. O álbum acentua a religiosidade e matriz africana da obra do artista. Trata-se de um disco aberto ao sincretismo, ao mesmo tempo em que é inundado pelas sonoridades do jazz e da música contemporânea. No show de sexta-feira, Mestre Jonas (voz e violão) estará acompanhado dos músicos Rafael Martini (piano, violão), João Antunes (guitarra), Pedro Trigo Santana (baixo), Gilberto Júnior (trompete), Jonas Vitor (sax alto/tenor), Alaécio Martins (trombone) e Mateus Bahiense (bateria).

Leopodina – a compositora e intérprete mineira tem como característica o requinte de arranjos e a diferenciada interpretação. Iniciou a carreira em 2002. Em 2005, lançou com Dudu Nicácio o disco “Leopoldina-Dudu Nicácio”, gravado de forma independente. Também fez participação em vários álbuns de artistas mineiros e projetos locais.

Após minuciosa pesquisa em diferentes regiões do país, a artista lançou, em 2010, o CD solo intitulado “Leopoldina”, com participação dos músicos Robertinho Silva, Paulo Santos (Uakti), Toninho Carrasqueira e Nailor Proveta. O trabalho é eclético de ritmos (frevo, samba, jongo, cantigas), mas apresenta uma unidade de arranjos. Nesse show, Leopoldina (voz) é acompanhada pelos músicos Alexandre Andrés (flauta e violão), Bruno Santos (bateria e percussão), Maurício Ribeiro (piano e bandolim) e Pedro Trigo Santana (contrabaixo acústico e violão de sete cordas).

Sérgio Pererê – o contato com a música foi iniciado ainda na infância de Sérgio Pererê, que possui formação autodidata. Logo cedo, teve acesso aos músicos de importância nacional, a exemplo do baterista Robertinho Silva e do percussionista Marcos Suzano.

Sérgio Pererê possui os CDs solos e autorais Linha de Estrelas (2005), Labidumba (2008) e Alma Grande, Ao Vivo (2010). Admirado por diversos artistas do cenário nacional, já teve composições gravadas por Ceumar, Regina Souza, Titane, Eliana Printes, Anthônio e Mauricio Tizumba, além de ser cantado por nomes como João Bosco, Milton Nascimento, Chico César, Vander Lee e Fabiana Cozza.

A influência do blues e rock progressivo está presente no trabalho de Sério Pererê, que também não perde de vista as raízes afro-brasileiras. Em 2002, no Rio de Janeiro, ao lado de Wagner Tiso, interpretou as canções para Chico Rei e Santa Efigênia, anteriormente gravadas por Milton Nascimento.

Lapinha Jesus de Nazaré – o grupo é oriundo do bairro de Mandacaru, em João Pessoa. Trata-se de um trabalho do Mestre Maciel, herdado de sua mãe Maria José de Souza, já falecida. Hoje participam dezessete componentes, entre crianças e adolescentes. É uma brincadeira popular tradicional, trazida para o Brasil pelos jesuítas. O enredo fala de uma disputa entre os cordões azul e vermelho.

‘Música Minas’ – o programa da cena alternativa e contemporânea mineira circula pelo país afora e foi criado pelo Governo do Estado em conjunto com o Fórum da Música de Minas. A proposta é fazer parceria com diversas cidades brasileiras, levando uma série de espetáculos com artistas e grupos. A iniciativa foi criada para suprir uma demanda que está além do foco das grandes gravadoras, lançando mão da criatividade e da tecnologia disponível. Afinal, a maior parte da música feita em Minas Gerais é gravada, produzida, distribuída e veiculada de forma alternativa para além das fronteiras nacionais. Pela segunda vez, João Pessoa é incluída no roteiro do projeto itinerante.