Projeto paisagístico leva mais cor a cartões-postais da Capital

Por - em 26

O verde somado às pinceladas de cores e aromas que brotam das flores, em perfeita harmonia com o desenho urbano. Este é o resultado esperado para os projetos dos jardins da Estação Cabo Branco – Ciência , Cultura e Artes e do Parque Solon de Lucena (Lagoa). O esforço conjunto das secretarias municipais de Planejamento (Seplan), Meio Ambiente (Semam) e Desenvolvimento Urbano (Sedurb) vai culminar no paisagismo de dois dos mais importantes cartões-postais da cidade.

O trabalho coordenado pela Seplan conta com a assessoria técnica do arquiteto da paisagem, Carlos Fernandes de Moura Delphim, integrante do setor de Jardins Históricos do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan). Até esta sexta-feira (10), ele estará reunido com técnicos das secretarias envolvidas, ajudando a traçar diretrizes para os novos jardins. Na oportunidade, estará avaliando novas áreas livres e verdes de uso público.

De acordo com Carlos Delphim, o projeto de paisagismo para a Estação Cabo Branco será integrado com o do Teatro Municipal, que será construído ao lado da obra de Oscar Niemeyer. “O projeto paisagístico da Estação será revisado. Vamos respeitar a especificidade monumental de Niemeyer, para que possa ser percebida em sua totalidade, sem obstáculo visual”, explica. Os canteiros e giradores das vias que circundam o local também serão contemplados.

Carlos Delphim argumenta que a equipe vai lançar mão do emprego de vegetação que corrija problemas ambientais, melhorando o microclima. Na área do anfiteatro, por exemplo, um bambuzal e palmeiras exóticas vão assumir a função de quebra-vento, além de promover sombreamento à área. No solo, a grama amendoim vai salpicar pequenas flores amarelas no ambiente. O cenário ainda vai contar com a floração rosa das Sapucaias e outras espécies que funcionam como alimento e abrigo de aves.

No Parque Solon de Lucena (Lagoa), no anel interno, as palmeiras imperiais que estiverem faltando serão repostas e vão ganhar nos canteiros forração com adorno de flores como Zíneas, Tagetes e grama amendoim. A arquiteta paisagista da Seplan, Heignne Jardim, afirma que a idéia é fazer uma composição com a paisagem existente, sem muitas interferências na percepção do espaço. Um tapete verde vai compor a área do entorno da Lagoa, onde haverá a continuação de agrupamentos de palmeiras exóticas e nativas (Macaíbas) com a inserção do Buruti (outra espécie de palmeira nativa).