ProJovem Adolescente encerra ano com espetáculos de teatro e dança

Por - em 48

O primeiro ciclo do Programa Projovem Adolescente foi encerrado nesta quarta-feira (17), no teatro do Serviço Social da Indústria (Sesi). O evento foi uma celebração aos 60 anos da Declaração dos Direitos Universais, transformados em espetáculos de dança música e teatro.

Cerca de 400 pessoas participaram do festival, que iniciou com a apresentação do texto ‘Os Estatutos do Home’, de Thiago de Melo, como resultado da oficina de leitura do Centro de Referência de Assistência Social (CRAS) do bairro São José. Mais dois textos do CRAS São José foram apresentados: ‘Respeito é bom e eu gosto’, de Renata Fonseca, e ‘Um contador me disse…’, de Erivan Araújo.

A peça ‘Além dos Trilhos’ e a música ‘Comida’do grupo Titãs foram mostradas pelos jovens como resultado da oficina de música do CRAS da Ilha do Bispo. Já o CRAS do Cristo Redentor, trouxe ao palco as músicas ‘Quem planta preconceito’, do Natiruts; ‘Perfeição’ do Legião Urbana; e ‘Racismo é Burrice’, de Gabriel O Pensador.

A música ‘Maria Maria’, de Milton Nascimento, e dois hip-hop’s, um com o tema da mulher e o outro sobre o Projovem Adolescente, foram apresentados pela turma do CRAS de Cruz das Armas. Um número de dança da música ‘Jack Soul Brasileiro’, de Lenine, foi a forma encontrada pelo jovens do CRAS de Mandacaru para mostrar o resultado de seus trabalhos na oficina de dança. E, para finalizar, a música ‘Porta do Sol’, de Fuba, foi interpretada pelos alunos do CRAS do Valentina emocionando a platéia que os assistiam.

O secretário de Desenvolvimento Social, Alexandre Urquiza, agradeceu o empenho de todos e lembrou que um dos objetivos do Governo Municipal e da secretaria que conduz, é o de transformar. “Acreditamos que o Projovem Adolescente cumpre bem esse papel e vem transformando a vida destes adolescentes. Fiquei muito feliz ao ver o resultado do nosso trabalho. Esses meninos e meninas fizeram apresentações que poderiam ser comparadas a de profissionais. É um sinal de que estamos no caminho certo e um estímulo para que nos empenhemos cada vez mais”.

Além dos jovens do programa, contribuíram para a realização do Festival: Adriano Bezerra (Coordenação geral e artística); Amanda Silveira Lima e Sandra Michelle (Facilitadoras de Dança); Alisson Flávio, Marcks Kennedt e Thiago Daniel (Facilitadores de Música); Rafaela Bronzeado, Franklin Bronzeado e Mike (Facilitadores de Artes); Manoel Honório Neto (Facilitador de Teatro), Renata Fonseca (Facilitadora de Leitura); e Wagner Rodrigues, aluno do Projovem Adolescente do CRAS São José que fez todos os desenhos do material de divulgação e cenários.

Projovem Adolescente – Desenvolvido desde junho deste ano pela Prefeitura de João Pessoa (PMJP), através da Secretaria de Desenvolvimento Social (Sedes), em parceria com o Governo Federal, o Projovem Adolescente é destinado a jovens com idades de 15 a 17 anos em situação de vulnerabilidade social. O objetivo é articular ações de proteção social básica, visando fortalecer o convívio familiar e comunitário.

Em João Pessoa, são 1.250 jovens, distribuídos em 53 coletivos, com uma média de 25 integrantes em cada um. Esses grupos se reúnem nos centros de Referência da Assistência Social (Cras), de Juventude (CRJ) e de Cidadania (CDC), espalhados em oito bairros – Mandacaru, Cruz das Armas, Ilha do Bispo, Alto do Mateus, Cristo Redentor, Valentina Figueiredo, Bairro São José e Colinas do Sul. A ONG Arca também entra como parceira nas atividades.

Estão incluídos do programa jovens de famílias beneficiadas pelo Bolsa Família e Programa de Erradicação ao Trabalho Infantil (Peti). Também participam meninos e meninas que cumprem medidas sócio-educativas determinadas pelo Juizado da Infância e Juventude, como prevê o Governo Federal.