Quinteto Violado e Clã Brasil animam véspera de São João

Por - em 31

A véspera de São João na Capital será animada por dois grupos de gerações diferentes, mas que possuem trabalhos de afirmação da música nordestina e sua variedade de ritmos: Quinteto Violado e Clã Brasil. Os dois grupos farão shows no próximo dia 23, a partir das 21h, no palco armado na Praça Antenor Navarro (Centro Histórico), dentro da programação do ‘São João de João Pessoa – O melhor da gente’, aberto oficialmente no sábado (21) com as exibições de Khristal, Silvério Pessoa e Chico César.

O grupo pernambucano Quinteto Violado abrirá a noite de shows a partir das 21h mostrando um repertório dentro do clima junino, com leituras próprias do baião, xote, quadrilhas e forrós. O Clã Brasil encerra a programação da noite mostrando ao público o show registrado em DVD que reúne xote, baião, forró e maracatus.

A experiência de pesquisas, espetáculos, discos, festivais, turnês internacionais e shows populares só reafirma cada vez mais a paixão do grupo pernambucano pelas manifestações culturais do Nordeste. Marcelo Melo, natural da Paraíba e um dos fundadores do grupo, ressaltou que o show seguirá o embalo dos ritmos juninos. “Nossa expectativa é sempre muito boa. A forma como o Quinteto apresenta os ritmos juninos sempre foi muito bem recebida pelo público na região durante os festejos. O público pode aguardar um show muito festivo e alegre”, frisou.

Projetos – Prestes a lançar em julho o CD ‘100 anos de frevo no pé’, com uma leitura latina do frevo pernambucano, o Quinteto Violado não pára. Em agosto, o grupo gravará em São Paulo um novo CD, dessa vez autoral com a participação dos parceiros Guinga, Toinho Horta e Luís Melodia.

O terceiro projeto programado pelo grupo para o final do ano tem relação com a afinidade com a música paraibana: a gravação do DVD ‘A canção que virou concerto’, resultante da leitura sinfônica da obra do paraibano Geraldo Vandré com a Orquestra Sinfônica Jovem do Conservatório Pernambucano de Música.

“Nossa afinidade com a música da Paraíba é total. Além de Marcelo Melo ser paraibano, revelamos o talento de Elba Ramalho para o estrelato. Temos ótima relação de respeito e admiração pelo grande Ariano Suassuna e acabamos de realizar um concerto sinfônico sobre a obra de Geraldo Vandré. A Paraíba também está presente com Chico César em nosso recente DVD ‘5 pebas na pimenta’”, enfatizou.

Retorno – O grupo Quinteto Violado surgiu em 1971 em Pernambuco, propondo um outro caminho para a música feita no Nordeste, fundamentada nos elementos da cultura regional e na essência rítmica e melódica das manifestações populares. O retorno à Capital paraibana acontece pela segunda vez em projeto culturais de acesso ao grande público, a exemplo do ‘Estação Nordeste’ e esta apresentação dentro de ‘São João – O melhor da gente’.

Marcelo Melo destacou que diante do panorama da música atual, iniciativas de investimento público em cultura são importantes por possibilitar o acesso da população a bens culturais. “Excluindo as coisas musicais de gosto duvidoso que surgem sempre em todas as regiões brasileiras, reconhecemos uma fértil produção musical no Nordeste, com uma safra de bons compositores. Consideramos muito positivas as iniciativas dos projetos populares, dando oportunidade à participação popular. A Paraíba não deve muito às iniciativas pernambucanas”, afirmou.

Clã de forrozeiras
– Conhecidas do público paraibano, as meninas do Clã Brasil farão o show de encerramento da véspera de São João acompanhadas pelos músicos José Hilton Alves (Badu) no violão de sete cordas e vocal; Maria José Pereira Alves no triângulo e vocal, e Francisco Filho, na percussão.

O show será semelhante ao registrado no ‘1º DVD ao vivo’, lançado pelo grupo e que conta com as participações de Marinês e do mestre Sivuca. Na apresentação da segunda-feira (23), o grupo tocará sucessos como ‘Feira de mangaio’ e ‘Visitando Zabelê’, este último instrumental composto por Sivuca especialmente para o grupo; ‘Bate coração’, da dupla Antônio Barros e Cecéu; ‘Só quero um xodó’, de Dominguinhos; ‘Coisas da mente’, de Bebé de Natércio, e ‘Amor a perder de vista’, de Lucyane e Badu.

O Clã Brasil é formado por Lucyane, Laryssa, Lizete e Fabiane. As quatro vêm de formação erudita tanto na Orquestra Infantil da Paraíba quanto no grupo Camerata Isabel Burity, regida por Norma Romano. Somam-se às influências do quarteto as freqüentes reuniões familiares ao som do forró e chorinho e do trabalho de artistas que conseguiram projeção ao defender o forró como Marinês, Dominguinhos, Elba Ramalho, Sivuca, Rosil Cavalcante, Luiz Gonzaga, Trio Nordestino, Os Três do Nordeste e José Marcolino.

A vocalista e acordeonista Lucyane Pereira Alves afirmou que tocar na terra natal é sempre um motivo a mais para se fazer festa, especialmente no período junino. “O show será marcado pelo xote, baião e maracatu com uma apresentação bem pra cima, porque tocar na nossa cidade e ainda por cima na mesma noite do Quinteto Violado é motivo de muita alegria pra gente. Essa iniciativa de dar espaço aos grupos regionais é importante para que o público conheça os artistas de sua terra”, disse.