Região Metropolitana de João Pessoa apresenta queda de 25% da população vivendo em pobreza extrema

Por Katiana Ramos - em 1331

A Região Metropolitana de João Pessoa foi a que apresentou o maior percentual de queda no número de pessoas vivendo na condição de pobreza extrema na região formada pelas capitais do Nordeste. Uma pesquisa elaborada pela LCA Consultores, com base nos dados da Pesquisa Nacional por Amostra Domiciliar Contínua (PNAD), revelou que o quantitativo de pessoas nesta situação caiu de 70.699, em 2016, para 52.922, em 2017.

A pesquisa, encomendada pela Revista Valor e divulgada esta semana, mostrou que a redução de pessoas vivendo em pobreza extrema em João Pessoa e metropolitana caiu 25% em um ano. Em contrapartida a esta realidade, o número de pessoas inseridas nesta situação aumentou em 4% nos demais municípios da Paraíba, passando de 346.786, em 2016, para 360.289, no ano passado.

Entre as ações desenvolvidas pela Prefeitura Municipal de João Pessoa (PMJP) para melhorar as condições de vida da população está o Banco Cidadão, que incentiva a geração de emprego e renda, facilitando o acesso ao crédito. Somente no último mês de abril foram liberados R$ 1.251.700,00 em microcrédito para 223 microempreendedores da Capital e, desde 2013, são R$ 44,7 milhões direcionados para os pequenos negócios, beneficiando mais de 115 mil pessoas.

Outras ações da PMJP de capacitação e inserção no mercado de trabalho são os cursos profissionalizantes ofertados, gratuitamente, nos Centros Municipais da Juventude, Secretaria Executiva de Políticas Públicas para as Mulheres e Programa JPA Artesã. Além disso, há ainda a assistência prestada às famílias mais carentes e de promoção à segurança alimentar e profissional nas cinco Cozinhas Comunitárias, experiência já reconhecida internacionalmente.

 A pesquisa – Para elencar os números da pesquisa, a empresa de consultoria utilizou o parâmetro adotado pelo Banco Mundial, no qual a pobreza extrema é quando a renda domiciliar per capita por dia é de U$$ 1,90, o que equivalia a R$ 133 mensais, aproximadamente, em 2016, e R$ 136 mensais, em 2017.

Das regiões metropolitanas das capitais nordestinas o pior desempenho foi o da região de Natal (RN), onde o percentual da população vivendo em situação de miséria aumentou 63% no período analisado. Até o final de 2017, a Região Metropolitana de Natal tinha 129.840 pessoas nessa condição.

Conforme a pesquisa da LCA, o Nordeste foi a única região do País onde a situação de pobreza extrema da população aumentou nos últimos dois anos, sobretudo nas cidades do interior. Os números mostram que a pobreza extrema aumentou 11,2% no interior, passando de 6,09 milhões de pessoas vivendo sob essas condições, em 2016, para 6,77 milhões, em 2017.

Pessoas vivendo em pobreza extrema no Nordeste

Região Metroplitana 2016 2017 Variação (%)
João Pessoa (PB) 70.699 52.922 -25
Fortaleza (CE) 256.158 222.534 -13
Recife (PE) 273.816 263.608 -4
Teresina (PI) 72.682 74.718 +3
Salvador (BA) 284.468 331.061 +16
Maceió (AL) 65.650 78.221 +19
Aracaju (SE) 67.198 87.118 +30
São Luis (MA) 99.661 147.029 +48
Natal (RN) 79.648 129.840 +63

Fonte: LCA Consultores/PNAD Contínua

Salvar