Ricardo anuncia 2ª etapa da Central de Agricultura Familiar

Por - em 27

Um grande espaço de fortalecimento da agricultura familiar. Esta é a definição do prefeito Ricardo Coutinho para a Central de Comercialização de Agricultura Familiar (Cecaf), que está sendo construída na avenida Hilton Souto Maior, no bairro José Américo. Na tarde desta quarta-feira (18), o prefeito visitou o canteiro de obras e anunciou a segunda etapa do projeto, realizada em parceria com o Governo Federal.

“Este espaço representa o compromisso do Governo Municipal com a agricultura familiar, setor essencial para o desenvolvimento da cadeia produtiva de baixo para cima. Com a concretização desse projeto, estamos fortalecendo e dando a oportunidade dos pequenos agricultores escoarem a sua produção. Estamos concluindo a primeira etapa e de imediato vamos dar início à segunda fase, pois é isto que este setor precisa, de articular ideia, estabelecer metas e firmar parcerias”, destacou o prefeito.

Ricardo Coutinho afirmou ainda que a prefeitura executa o projeto com responsabilidade. “Para que o nosso objetivo seja alcançado, que é possibilitar a comercialização dos produtos produzidos no campo, escolhemos construir a central às margens de uma avenida duplicada, com fácil aceso e próximo à BR-230. Tudo para atrair o consumidor e para que os agricultores se livrem dos atravessadores, que ficam com a maior parte do lucro”, disse o prefeito.

Investimentos – A Central de Comercialização de Agricultura Familiar (Cecaf) é uma iniciativa proveniente da parceria entre Prefeitura de João Pessoa (PMJP) e o Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA), através do Colegiado de Desenvolvimento Territorial da Zona da Mata Sul (Codeter). Na obra, estão sendo investidos R$ 1.920.135,72, sendo que R$ 525.873,72 são recursos próprios do Governo Municipal.

O secretário Nacional de Desenvolvimento Territorial da MDA, Humberto Oliveira, representou o Governo Federal na visita à obra e destacou o interesse da prefeitura em fazer parte dessa parceria que valoriza a agricultura familiar. “ Este é um espaço descente, bem localizado e grande, que coloca à disposição das pessoas que moram na cidade a agricultura familiar. Este espaço vai promover o encontro entre o produtor e o consumidor, apoiando de vez o povo do campo”, frisou o secretário nacional.

Além da infraestrutura para comercializar os produtos do campo, a Central também vai oferecer aos agricultores (as) apoio logístico, como veículos para fazer o transporte das mercadorias. Serão cinco: duas motos, um veículo pequeno, uma camioneta e um caminhão.

Entusiasmada com todo este apoio está a agricultora Maria Amélia, que sobrevive do campo com o marido e o filho. “O nosso maior problema são os atravessadores, que compram nossos produtos a preço muito baixo, não valorizando nosso esforço. Com isso, temos um lucro muito pequeno. Sou filha de agricultor e trabalhei a vida toda no campo e só sei fazer isso. Mas com este local, temos mais incentivo para trabalhar e até planejar. Com o lucro certo que vamos conseguir aqui, já pensei em também plantar verduras”, planeja a agricultora, que atualmente trabalha com o plantio de tubérculos, a exemplo de batata doce, macaxeira e inhame.

O mesmo otimismo tem Josias Ribeiro de Oliveira, que mora no assentamento Nova Vida, em Pitimbu. “Os atravessadores compram a preços pequenos e algumas vezes não pagam, e o prejuízo é bem maior. Um quilo de mamão na feira é um real, mas os atravessadores só querem comprar à gente por vinte centavos. Na central vamos vender, a preço justo, nossos produtos diretamente aos consumidores e recebemos o dinheiro na hora”, disse Josias Ribeiro.

A Cecaf vai beneficiar diretamente cerca de 250 produtores. A estrutura física é composta por galpões, boxes, praça de eventos, área verde, estacionamento, baterias de banheiros, salas para capacitação de pessoal, câmara fria e acondicionadores de lixo. Sete regiões no Estado produzem o equivalente a 70% dos itens que compõem a mesa do paraibano: Borborema, Curimataú, Cariri Ocidental, Cariri Oriental, Zona da Mata Norte, Zona da Mata Sul – no qual João Pessoa está inserida – e Médio Sertão, totalizando 118 municípios.