Ricardo diz que PAC do Jaguaribe vai mudar a realidade do São José

Por - em 33

O prefeito Ricardo Coutinho (PSB) apresentou, na manhã desta quinta-feira (29), ao colegiado de procuradores do Ministério Público da Paraíba (MP), o projeto de reurbanização do Vale do Jaguaribe, com destaque para a intervenção em São José/Chatuba, no bairro de Manaíra.

O convite partiu do MP, que cobrou da Prefeitura de João Pessoa (PMJP) uma contribuição para conter a violência na área. “Vamos sanear toda a área, salvar o rio assoreado e oferecer as condições sociais para que a população que vive lá não seja mais refém da criminalidade. Não temos como relocar 25 mil pessoas do São José/Chatuba e não vamos fazer isso, não vamos segregar. Ao contrário, vamos construir pontes, abrir acessos, porque o isolamento facilita a atuação do crime e impede a presença do poder público no local”, explicou Ricardo.

Solução – O subprocurador de Justiça, Paulo Barbosa, que presidiu a reunião, disse que já tinha ouvido que a solução para conter a violência em Manaíra seria a relocação de toda a comunidade para outra área e chamou o prefeito para que ele dissesse o que, na verdade, estava sendo planejado para a área.

“Ficamos satisfeitos com o projeto apresentado e acreditamos que a reurbanização e o investimento em projetos sociais que a Prefeitura fará no São José vão trazer a solução para aquela área, erradicando a criminalidade a médio prazo. Nos tranqüilizamos em saber que a Prefeitura se preocupa com a questão do aumento da violência, embora não seja sua atribuição primeira”, afirmou, acrescentando que o Ministério Público estava disponível para outras conversas e discussões sobre a questão.

PAC do Jaguaribe – Ricardo Coutinho explicou que toda a intervenção que vai mudar a realidade do São José/Chatuba (duas comunidades localizadas às margens do rio Jaguaribe, na altura do bairro de Manaíra) será feita dentro do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), do Governo Federal.

“Serão investidos no baixo e alto Jaguaribe mais de R$ 73 milhões, sendo R$ 66 milhões do Orçamento Geral da União e o restante de recursos próprios da Prefeitura, com a urbanização de comunidades carentes, relocação de famílias que vivem às margens do rio, construção de vias e ciclovias ao longo do rio. O PAC (que também inclui a urbanização do Vale do Sanhauá) será o maior projeto social que João Pessoa já viu”, disse.

Outros benefícios – Segundo o prefeito, além dos recursos do PAC, a Prefeitura está investindo uma soma que ainda não parou para calcular na implantação de equipamentos públicos, como unidades de saúde, escolas, creches e praças e tudo isso com o objetivo de garantir a inclusão das pessoas carentes e reduzir a mão-de-obra que seria recrutada para o crime organizado.

“Estamos convencidos que não há muralha possível de ser construíra para conter a criminalidade. A política que se constrói em todo mundo para conter a violência é a social. A maioria da população do Bairro São José é trabalhadora e refém da criminalidade. Isolar essas pessoas só interessa a quem controla o tráfico e o crime nesse local. Não é através de decreto que se acaba com a violência. Se essa população, se esses jovens se sentirem incluídos na sociedade não serão atraídos para o crime e não serão soldados do crime organizado. O combate a violência não é possível só com a repressão e nem sem a repressão qualificada”, afirmou.

Ao final da explanação de Ricardo, vários procuradores pediram a palavra e elogiaram a administração do prefeito, destacando que as intervenções feitas têm mudado a cidade para melhor. A maioria entendeu que a solução para Manaíra, que tem um alto índice de violência, não será a retirada da comunidade São José e disseram que ficaram tranqüilos em perceber que a Prefeitura estava pensando o planejamento organizado da cidade e preocupada com a questão da segurança pública.