Ricardo entrega Caps do Rangel e anuncia ações na área de saúde

Por - em 150

Durante a entrega do Centro de Atenção Psicossocial-AD (CAPS) David Capistrano Filho na manhã desta segunda-feira (22), o prefeito Ricardo Coutinho anunciou uma série de ações para o mês de março em João Pessoa. Entre elas estão as inaugurações do hospital do Valentina e do anexo do Instituto Cândida Vargas (Banco de Leite e Setor Administrativo) e a implantação do ambulatório de pronto atendimento em ortopedia, traumatologia e fisioterapia no CAIS de Jaguaribe. As ações fazem parte da política de ampliação e qualificação na área da saúde na Capital.

A solenidade da inauguração do CAPS David Capistrano, localizado no bairro do Rangel, teve a participação da secretária de Saúde, Roseana Meira; do representante do Ministério da Saúde, Marcelo Kimate; e do promotor de Justiça Valberto Lira, entre outras autoridades. Na ocasião, Ricardo Coutinho destacou a importância da implantação de mais um centro de atendimento psicossocial na Capital.

“Nós estamos dando segmento a uma política de expansão do serviço em atendimento à saúde mental por entender ser extremamente necessário ampliar cada vez mais o acesso a esse serviço. Com mais essa obra, um número maior de pessoas poderá ser atendido e muitas vidas poderão ser retiradas das drogas que tem destruído famílias inteiras. O crack é um problema social gravíssimo, muitos jovens têm perdido suas vidas por conta das drogas. Precisamos encarar isso com outra dimensão. As escolas, as famílias e diversos setores da sociedade precisam buscar formas de combater esse mal. Precisamos criar condições e dar oportunidade para as pessoas saírem desse vício”, esclareceu.

O CAPS-AD irá realizar pronto atendimento a adultos com transtornos mentais decorrentes do uso/abuso e dependência de álcool e outras drogas e fará tratamento com medicamentos, atendimento aos familiares, terapia individual e comunitária com visitas domiciliares e oficinas culturais. Esse novo centro especializado faz parte da política de saúde mental desenvolvida pela Prefeitura de João Pessoa (PMJP), através da Secretaria Municipal de Saúde (SMS), que envolve mais três unidades do CAPS, sendo uma delas voltada para crianças e adolescentes portadores de transtornos mentais e usuários de álcool e drogas.

O Centro de Assistência Psicossocial do Rangel está localizado na rua José Soares, s/n, e oferecerá leitos para observação. O Centro irá funcionar das 8h às 17h, de segunda à sexta, com uma equipe especializada de profissionais entre psicólogos, psiquiatras, enfermeiros, técnicos de enfermagem, assistentes sociais, professores de educação física, farmacêuticos, arte educadores e equipe de apoio administrativo.

A secretária de Saúde, Roseana Meira, disse ser esse um momento importante na gestão municipal, pois consolida uma política de expansão e qualificação no atendimento à saúde mental. “Além das três unidades, o Complexo Hospitalar governador Tarcisio Burity (Ortotrauma), em Mangabeira, possui o Pronto Atendimento em Saúde Mental (PASM), que realiza atendimento em urgência e emergência psiquiátrica com leitos para observação e atendimento diário a pacientes com transtorno psíquico agudo/grave”, esclareceu.

O representante do Ministério da Saúde, Marcelo Kimate, falou da importante parceria entre o ministério e a prefeitura de João Pessoa, que tem tido um empenho na execução dos serviços de saúde. “As ações em João Pessoa andam muito bem articuladas, essa é uma cidade que tem construído todas as condições para desenvolver bem essa política e se transformar em referência para todo o País”, parabenizou.

Estrutura – O CAPS-AD do Rangel conta com uma estrutura completa para atender os usuários com total conforto e privacidade. São quatro salas de atendimento individual, duas salas de atendimento em grupo, quatro banheiros, cozinha, refeitório, coordenação e uma sala de observação com três leitos para fazer um acompanhamento de casos de urgência. A coordenadora do CAPS-AD do Rangel, Shirlene Lima, disse que o Centro não restringe seu atendimento apenas àquela comunidade e sim a todo o município. “O usuário de drogas precisa sentir o desejo de se tratar e nosso atendimento se estenderá também às famílias”, lembrou.