Ricardo lança projeto ‘João Pessoas – A memória da Cidade’

Por - em 26

O prefeito Ricardo Coutinho lança, nesta sexta-feira (26), às 19h, no Centro Cultural Casarão 34, na Praça Dom Adauto, o projeto ‘João Pessoas – A memória da cidade’, que reunirá, para futuros acessos públicos, informações impressas e em vídeo de personalidades da Capital paraibana, notórias ou anônimas, como meio de preservação da memória urbana, contada através de seus próprios moradores. “Essa será uma das contribuições para o enriquecimento de uma futura Biblioteca Municipal, cujo objetivo é a disseminação de informação e conhecimento, como força-motriz para o desenvolvimento pessoal e coletivo”, assevera o prefeito.

Na ocasião do lançamento, haverá a exibição de um vídeo mostrando os detalhes do projeto e o anúncio das seis primeiras personalidades biografadas, que serão perpetuadas em livro e vídeo, sob responsabilidade da Secretaria de Comunicação Social e TV Cidade de João Pessoa. Já em fase de execução, os produtos estarão disponíveis a estudantes, professores, pesquisadores e ao público em geral já a partir desse final de ano.

No convite que está sendo distribuído a instituições e autoridades para a solenidade de lançamento, há um resumo da justificativa do projeto “João Pessoas” que dá a dimensão da amplitude e atemporalidade da iniciativa: “Desde os primórdios, atentos ancestrais nos deixaram um legado substancioso de registros físicos e sensoriais da Capital paraibana. Bucólica e sinuosa, a cidade ganhou pinceladas apaixonantes e factuais de abnegados e talentosos nativos, como Walfredo Rodriguez, Coriolano de Medeiros, Horácio de Almeida, José Américo, Virginius da Gama e Melo, Nathanael Alves, entre tantos outros, que conseguiram congelar no tempo impressões e aspectos sociais, econômicos, políticos, científicos e culturais de João Pessoa, ajudando a moldar novos cenários urbanos e sociológicos à comunidade de múltiplas etnias”.

E prossegue: “Rico, mas escasso. O registro desse memorial de diversas facetas, através de livros, jornais, fotografias, filmes, pinturas, desenhos, peças teatrais, danças, músicas e outros documentos e elementos iconográficos, embora pareça volumoso quando – e se – reunidos em um único ambiente de consulta pública, está bem aquém da capacidade de produção do povo paraibano, protagonista de incontáveis interferências na história brasileira. As fontes de consulta são esparsas e recheadas de lacunas informativas e analíticas”.

“Dentro dessa linha de raciocínio – prossegue o texto – a Prefeitura de João Pessoa está lançando o projeto ‘João Pessoas – A memória da cidade’, como ferramenta pública para a organização da documentação histórica da Capital paraibana, tendo como esteio informativo seus próprios habitantes, naturais ou adotivos, na busca pela simbiose estética entre homens e mulheres e a terra em que vivem. Pessoas notórias ou anônimas que ajudaram a construir a cultura local, influenciando aspectos urbanos e sociais. Gente que tenha o que contar sobre a evolução da urbes e as conseqüências desse crescimento. Esclarecer ou ressaltar aspectos históricos que se sustentam ou se desvirtuam pela força da oralidade. Registrar, às gerações sucessoras, o respeito e o amor ao chão comum, apontando os caminhos que possam manter elevada a auto-estima e qualidade de vida conquistadas em intervenções seculares. Fornecer o vento que roda o moinho”.