Ruartes atende a 180 pessoas em situação de rua nos meses de janeiro e fevereiro

Por Fátima Sousa - em 209

A Prefeitura Municipal de João Pessoa (PMJP), através do Serviço Especializado em Abordagem Social (Ruartes), atendeu a 180 pessoas em situação de rua, nos meses de janeiro e fevereiro de 2019. O Ruartes é um serviço ligado à Diretoria da Assistência Social (DAS) da Secretaria de Desenvolvimento Social (Sedes), que tem a finalidade de assegurar o atendimento e atividades direcionadas para o desenvolvimento de sociabilidade, na perspectiva de fortalecimento de vínculos interpessoais e familiares, que viabilizem a construção de novos projetos de vida.

Entre estes moradores, uma família de 14 integrantes, com duas crianças e seis adolescentes, pedintes em um semáforo da Avenida Epitácio Pessoa, e que foi recambiada para o município de Goianinha, no Estado do Rio Grande do Norte.

Nas abordagens de rua, o serviço encaminhou ainda três crianças e adolescentes para o Conselho Tutelar, fez três reinserções familiares, três encaminhamentos para Casas de Acolhida, dois encaminhamentos para instituições de idosos, nove atendimentos socioassistenciais, um encaminhamento para o setor de saúde e 10 retiradas de documentos, inclusive certidões de nascimento e uma averbação de divórcio.

A coordenadora do Ruartes, a pedagoga Amparo Santos, avalia o trabalho de abordagem do programa como muito importante por proporcionar atendimento emocional, social, comunitário e educativo. “É importante como proposta de construir uma forma humana de atendimento que seja capaz de fomentar nas pessoas atendidas, o desejo de construção de um projeto novo em suas vidas, respeitando as suas limitações e sua história de vida”, define.

Durante as abordagens é identificada a demanda como foco na perspectiva de resgatar os vínculos familiares, sua autonomia e a garantia de direitos para que sejam realizados os encaminhamentos necessários para a Rede de Proteção.

Rede – A Rede é formada pelo Centro POP, Consultório na Rua (Secretaria de Saúde), Casa de Acolhida Adulta, Conselho Tutelar, Centros de Referências Especializados na Assistência social – CREAS e Centro de Referência da Assistência Social – CRAS e serviços de saúde.

As abordagens são realizadas nos mais variados espaços urbanos, seja no Parque da Lagoa Solon de Lucena, Mercados Públicos, Terminal Rodoviário, Orla Marítima e outros pontos estratégicos.

Amparo Santos admite que a desestruturação familiar, o abandono, o falecimento dos pais, o abuso e a fome são alguns dos motivos que levam diariamente milhões de crianças e adolescentes a viverem nas ruas, se expondo aos riscos do cotidiano. “O programa garante ainda à criança e ao adolescente, vítimas de diversas violências, a garantia de sua cidadania, direitos humanos e sua inclusão social”, conclui.