Samba e rock na inauguração da nova Feirinha de Tambaú

Por - em 62

Um show com muito samba e rock vai celebrar, neste sábado (10), a inauguração das obras da Praça Vicente Trevas, espaço que completa as intervenções da Prefeitura de João Pessoa (PMJP) em toda a área da Feirinha de Tambaú, agora totalmente renovada e a ser entregue pelo prefeito Ricardo Coutinho (PSB), a partir das 20h. Quem vai animar autoridades, feirantes e a população em geral é a banda Sonora.

Para construir a nova Feirinha, a PMJP investiu nada menos que R$ 1,4 milhão, resgatando uma área historicamente destinada ao turismo de João Pessoa, mas precariamente ocupada. Já na quarta-feira (7), a Prefeitura entregou a 44 comerciantes de artesanato as chaves dos boxes e eles começaram a reocupar o novo espaço projetado especialmente para a região praieira.

O secretário de Desenvolvimento e Controle Urbano (Sedurb), Ivan Burity, lembrou que a Feirinha de Tambaú (que engloba as praças Vicente Trevas, uma área destinada à venda de artesanato, e Santo Antônio, espaço específico para a comercialização de alimentação), apesar de ser um atrativo turístico importante para a Capital, estava sofrendo, ao longo dos últimos anos, com a ocupação irregular e precária.

“As barracas de alimentação se transformaram em bares. A comida era feita e vendida em meio à manufatura de peças artesanais. O espaço estava precariamente ocupado. A nova Feirinha de Tambaú se transformou numa vitrine da cidade, onde os comerciantes têm sua sobrevivência assegurada e a população um espaço de diversão, lazer e gastronomia”, afirmou.

A segunda etapa das obras de revitalização da Feirinha custou cerca de R$ 560 mil, provenientes de uma parceria da Prefeitura de João Pessoa (PMJP), Banco do Brasil e comerciantes. A primeira etapa foi entregue no início do ano passado e custou cerca de R$ 841 mil. Nas duas praças, há áreas destinadas ao comércio e à circulação de pedestres.

A iluminação, o piso, o prédio e o paisagismo foram projetados especialmente para a região praieira, com o uso de materiais típicos da região litorânea, como madeira e telhas de cerâmica para o telhado; tijolos rebocados e pintados para as paredes e blocos intertravados de cimento com pigmentação, para o piso. O projeto de paisagismo considerou espécies de Mata Atlântica.

Promessa cumprida – A grande maioria dos comerciantes compareceu à entrega dos boxes e alguns fizeram questão de testemunhar sua satisfação com a solução encontrada pela PMJP para o ordenamento daquele comércio.

Para Laís Hermann, artesã que produz peças em argila, o projeto atendeu às principais necessidades do local: “saímos da calçada para um lugar bonito e seguro, João Pessoa precisava de um espaço como esse, que agradou a nós, os comerciantes, e aos usuários, tanto os residentes na cidade quanto os visitantes”.

Alberto Martins, presidente do Conselho Fiscal da Associação dos Artesãos, lembrou que a recuperação do local era uma das prioridades do prefeito Ricardo Coutinho, quando ainda ocupava uma cadeira na Câmara Municipal. “Desde que ele era vereador, que ajuda os trabalhadores. Agora temos esse local organizado, seguro, bonito e que devolveu a dignidade aos artesãos”, declarou.