SAÚDE DA MULHER

A área técnica de Saúde da Mulher possui como eixo norteador, a Política de Atenção Integral de Atenção à Saúde das Mulheres – PNAISM, do Ministério da Saúde. Nosso trabalho está focado nos 05(cinco) eixos prioritários, que são:

  • Atenção obstétrica – Rede Cegonha;
  • Saúde sexual e saúde reprodutiva;
  • Atenção as mulheres em situação de violência;
  • Atenção ginecológica, ao climatério, câncer do colo do útero e de mama;
  • População especifica e vulneráveis.

As mulheres representam a maioria da população pessoense (53,2%) e constituem-se como as principais usuárias do Sistema Único de Saúde (SUS), estando distribuídas para estratégia de acompanhamento de indicadores de monitoramento e avaliação das políticas de saúde, conforme tabela abaixo:

Tabela 1: População feminina Município de João pessoa

População feminina 421.356 mulheres
Acima de 10 anos 362.461
10 a 49 anos 267.011 (mulheres em idade fértil)
25 a 64 anos 233.885 mulheres (faixa etária prioritária para rastreamento do câncer do colo do útero)
50 a 69 anos 73.998 mulheres (faixa etária prioritária para rastreamento de câncer de mama)
60 anos e mais 49.918 mulheres
Fonte: DATASUS, Estimativa 2015
  • SAÚDE MAMÁRIA

O câncer de mama é uma das lesões malignas mais temidas pelas mulheres, pelos seus efeitos psicológicos, que afetam a percepção da sexualidade e a própria imagem corporal. Ela é relativamente rara antes dos 35 anos, mas com o avançar da idade sua incidência cresce rápido e progressivamente.

O câncer de mama, quando identificado em estágios iniciais (lesões menores de 2 cm de diâmetro), apresenta prognóstico mais favorável e a cura pode chegar a 100%.

Os sintomas do câncer de mama são: nódulo mamário de consistência endurecida e fixo, descarga papilar sanguinolenta ou em “água de rocha”, lesão eczematosa da pele, edema mamário com pele em aspecto de “casca de laranja”, retração na pele da mama, mudança no formato do mamilo.

Para a detecção precoce do câncer de mama na população geral, as recomendações aprovadas pelo Ministério da Saúde, são:

  • Autoexame das mamas (recomendado apenas para que a mulher tenha conhecimento de seu corpo e não como método de rastreio);
  • Exame físico anual, por médicos ou enfermeiros;
  • Mamografia de rastreio anual, a partir dos 50 anos.

Observações:

(1) Em mamas radiologicamente densas ou a fim de complementação diagnóstica preconiza-se a associação da ultrassonografia;

(2) Nas mulheres com risco especial (*) para câncer de mama, os exames de rastreio (mamografia) começam mais precocemente (35 anos).

(*) Risco especial para câncer de mama: Ter mãe, irmã ou filha com câncer de mama antes da menopausa; ter pelo menos dois parentes próximos com câncer de mama em qualquer idade; ter tido diagnóstico de lesões de alto risco em biópsia de mama, como hiperplasia atípica e neoplasia lobular in situ.

Dados da Saúde Mamária – Primeiro trimestre 2017

Referências:

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Controle dos cânceres de colo do útero e da mama. 2 ed. Brasília: Editora do ministério da Saúde, 2013.

BRASIL. Ministério da Saúde. INCA. Diretrizes nacionais para a detecção precoce do câncer de mama. Rio de Janeiro: BVS, 2015.