Seis e Meia tem Quinteto Violado e Anne Raelly nesta quarta-feira

Por - em 32

Os sons nordestinos e folclóricos com elementos da música erudita serão apresentados ao público que participar da edição desta quarta-feira, dia 12, do Projeto Seis e Meia, que terá como atração principal o Quinteto Violado.
O grupo de Pernambuco tem 38 anos de estrada bem percorrida pelos palcos do Brasil e do mundo. A abertura será feita pela cantora e compositora paraibana Anne Raelly, que tem um sólido trabalho apoiado na mais legítima música regional e em outros gêneros da MPB.

O Projeto Seis e Meia é promovido pela Prefeitura de João Pessoa em parceria com a Accorde Produções e recebe o apoio cultural do Ambassador Flat e dos restaurantes Peixe Elétrico, Vila Cariri e Cia do Chopp. As apresentações começam às 18h30, na Praça de Eventos do MAG Shopping, na Praia de Manaíra. Os ingressos custam R$ 20,00 (inteira) e R$ 10,00 (meia entrada) e podem ser comprados antecipadamente ou na hora do evento no posto de vendas montado no primeiro piso do MAG. Informações 9134-7610.
 
Quinteto Violado – Formado em Recife em 1971, o grupo instrumental tem como músicos Marcelo Melo (violão, viola e voz), Toinho Alves (baixo e voz), Ciano (flauta e violão), Roberto Medeiros (percussão e voz) e Dudu Alves (teclados). O Quinteto ficou famoso no Brasil por realizar um trabalho de resgate e recriação da música tradicional e folclórica nordestina, utilizando elementos da música erudita.

Desde 1972, quando foram apresentados a um produtor por Gilberto Gil, os músicos do Quinteto Violado gravaram ou participaram de mais de 25 discos e CDs, apresentando-se por todo o Brasil e em vários países. Realizaram também um trabalho didático, ministrando oficinas de música em escolas pernambucanas.

Entre outros discos marcantes gravaram Berra Boi (1973), A Feira (1974), Folguedo (1975), Missa do Vaqueiro (1976), Pilogamia do Baião (1979) e Coisas que Lua Canta (1983). Vencedores de festivais e prêmios Sharp, criaram, em 1997/98, a Fundação Quinteto Violado, de caráter cultural, que ainda hoje realiza um ótimo trabalho em Pernambuco. No Seis e Meia desta semana vão mostrar parte do seu riquíssimo repertório.
 
Anne Raelly – A cantora e compositora paraibana Anne Raelly iniciou sua carreira em 1997 e desde então vem participando de inúmeros festivais em várias cidades do Estado, sempre se destacando. Atualmente, Anne Raelly vem se dedicando ao seu trabalho autoral e passa pelo processo de conclusão do mestrado em Etnomusicologia, o que aproximou ainda mais a artista da música popular, mais especificamente da música paraibana, que é o grande foco de suas pesquisas.

A proposta musical da intérprete tem influência de diversos estilos da Música Popular Brasileira, com destaque para o samba, a Bossa Nova e o pop. No entanto, o trabalho de Anne traz singularidades que configuram características da música nordestina, a exemplo do forró, do baião, do maracatu, do coco de roda e da ciranda. Toda essa mistura de ritmos será mostrada durante sua apresentação no Seis e Meia desta quarta-feira.