Sentinela promove integração entre famílias atendidas pelo serviço

Por - em 22

Trinta mães acompanhadas pelo Serviço de Enfrentamento ao Abuso e a Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes (Sentinela) participaram, na tarde desta quinta-feira (23), de um encontro entre famílias promovido pelo programa, que é vinculado à Secretaria de Desenvolvimento Social (Sedes), da Prefeitura de João Pessoa.

A coordenadora do Sentinela, Salete Freitas Ribeiro, explicou que o evento teve como objetivo integrar as famílias e trabalhar sua inter-relações, numa perspectiva de refletir e garantir a co-responsabilidade da família no acompanhamento e desenvolvimento das crianças e adolescentes vitimizados ou em risco de violência sexual.

“A intenção é mostrar a essas mães e pais que aqui vieram a nossa responsabilidade enquanto gestão, da sociedade e deles mesmos com seus filhos, para que saibam educá-los, tornando-os cidadãos. Queremos resgatar junto a eles o papel fundamental da família no desenvolvimento destas crianças e adolescentes ”, enfatizou.

Acompanhados pelo Sentinela há um ano, Lucilene Barbosa (24) e Gilvan Francisco da Silva (34), disseram que sente que não estão sozinhos na educação dos seus filhos. “Aqui a gente tem a ajuda necessária para orientá-los da melhor forma”, comentou o casal.

Já Maria Angelina de Medeiros (40), que há dois anos é acompanhada pela equipe, destacou que encontrou uma nova família. “Me tiraram do fundo do poço”. Dona Jacinta de Fátima da Silva (50), também usuária do serviço há dois anos, afirmou que encontrou “muito amor e boa vontade para mudar minha vida e a de minha família”.

Durante o evento, as mães concorreram ao sorteio de brindes e participaram de um lanche coletivo. As crianças e adolescentes que as acompanharam participaram de oficinas artísticos-culturais.

O programa – As Ações do Sentinela se dão através do atendimento 24 horas mediante o disque denúncia 0800-282-7969 para identificação, orientação e notificação dos casos. O serviço ainda realiza o acolhimento e escuta de forma humanizada e sigilosa, proteção e atendimento imediato especializado e interdisciplinar, apoio psicossocial e jurídico inicial, encaminhamento e acompanhamento dos usuários à rede local de proteção à violência e aos serviços de acolhimento, atendimento psicoterapêutico e oficinas terapêuticas com apoio psicossocial para crianças, adolescentes e seus familiares.