Servidores participam de capacitação sobre doença falciforme

Por - em 126

Cerca de 300 servidores municipais de João Pessoa participam nesta sexta-feira (18) de uma qualificação sobre atenção à saúde bucal das pessoas com doença Falciforme. O evento acontece a partir das 8h na Estação Cabo Branco – Ciência, Cultura e Artes, no Altiplano. A qualificação é promovida pela Secretaria Municipal de Saúde (SMS) e tem como objetivo capacitar gestores e profissionais de saúde bucal no que se refere às especificidades da doença falciforme a fim de garantir uma abordagem odontológica adequada e segura na rede da Capital.

Dandara Correia, coordenadora da Área Técnica de Saúde da População Negra da SMS, destacou que a atividade está inserida nas ações de fortalecimento da linha de cuidado da doença falciforme. “Nosso objetivo é organizar uma rede de serviços de saúde qualificada e capacitada para garantir um atendimento integral aos usuários com doença falciforme e seu fluxo pelos níveis de atenção, tendo como base a organização do cuidado e objetivando modificar os resultados de morbi-mortalidade, qualidade de vida e longevidade”, explicou.

A coordenadora ressaltou que a ação conta com o apoio do Ministério da Saúde, do Centro de Referência Odontológica em Doença Falciforme, Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e Associação Paraibana dos Portadores de Anemias Hereditárias. Na oportunidade, serão debatidos temas como a política nacional de atenção integral às pessoas com doença falciforme e manifestações e complicações orais na enfermidade.

Doença Falciforme – É uma doença genética que acomete todas as pessoas, sendo de maior incidência na raça negra. A coordenação da saúde da população negra ressalta que sua abordagem deve antecipar um atendimento sem preconceitos, onde se respeite o saber e a cultura dessa parte da população.

“Tais programas são resultados de lutas históricas dos movimentos sociais negros que sempre tiveram como lema uma política de saúde justa e igualitária. Neste processo, as Doenças falciformes sempre estiveram em pauta, uma vez que se configura enquanto doença de maior incidência na população negra, agravada pelas condições de desigualdades as quais estão inseridas”, enfatizou Dandara Correia.

Capacitações – Ano passado foram mais de 500 profissionais qualificados em atividades como seminários, oficinas, cursos e qualificações em relação à doença falciforme.