Show de Roberta Miranda abre Festa das Neves nesta sexta

Por - em 13

A cantora e compositora paraibana Roberta Miranda é uma das atrações da abertura da Festa das Neves 2010 nesta sexta-feira (30). O público também poderá assistir, na mesma noite, a irreverência do grupo Caronas do Opala, com seu “brega rock style”, e ouvir as canções interpretadas por Luzinete, a rainha da seresta. Os shows acontecem em palco armado no Ponto de Cem Réis, a partir das 18h. Roberta Miranda vai conceder entrevista coletiva à imprensa nesta sexta-feira (30) a partir das 16h30, no Ambassador Flat, localizado na Avenida Cabo Branco.

Na mesma praça, haverá ainda um tablado montado exclusivamente para os folguedos da cultura popular. Nesse espaço, quem vai animar a festividade é a Nau Catarineta de Cabedelo, Vó Mera e Seus Netinhos e ainda o Coco de Guruji. A realização é da Prefeitura de João Pessoa (PMJP), por meio da sua Fundação Cultural (Funjope).

No show, Roberta Miranda promete mostrar por que merece o título de Rainha da Canção Sertaneja, conquistado logo no início da carreira. Ela vai interpretar canções que marcaram época e também que retratam o amor por sua terra natal – João Pessoa. Afinal, mesmo morando em São Paulo, as belezas da Capital foram fontes de inspiração para que ela escrevesse músicas como Tambaú, fazendo verdadeira reverência a uma das praias mais tradicionais da Paraíba.

Com mais de 20 anos de carreira, 20 discos gravados e mais de 16 milhões de discos vendidos, Roberta é considerada a principal cantora brasileira no gênero sertanejo. Para conquistar esse reconhecimento, ela buscou garimpar o repertório para encontrar tesouros diferenciados.

Ao longo dessas últimas duas décadas, pode-se perceber o leque diversificado da artista quando canta uma guarânia (“Meu Primeiro Amor”, de José Fortuna, H. Gimenez e Pinheiro Jr.), passando por canções como “Tristeza do Jeca” (Angelino de Oliveira) e “Guacira”, que é uma parceria do maestro erudito Hekel Tavares com Joracy Camargo. Um dos momentos que marcou o lado autoral de Roberta Miranda foi a composição “Majestade, o Sabiá”, seu maior sucesso autoral no gênero.

Caronas do Opala – Em novembro de 2006, cinco roqueiros resolveram montar um grupo com repertório próprio, em um estilo que foi autointitulado brega rock style. Hoje em dia, a reformulação dos integrantes, com a entrada de novos músicos, levou a banda a uma abordagem mais grooveada. Isso contribuiu para que fossem explorados novos arranjos, graças aos instrumentos de sopro. Independente desses detalhes, eles sempre subiram ao palco com muita irreverência e bom humor, acompanhados pelo opala vermelho conversível de “Seu Fernando”, uma espécie de entidade brega e presença garantida em todos os momentos.

A idéia do Caronas do Opala é fazer pequenas alterações nos arranjos das músicas, mas sem jamais fugir da ideia principal que o autor quis passar. No repertório estão canções que marcaram um período da música popular romântica brasileira.

A banda se prepara para gravar um disco autoral, com músicas que já estão na boca de muita gente, como “Lígia Por quê?”, “Quantos Olhos”, a conhecida “O meu Cariokeissh”, “Não, não olhe para traz” e agora com a nova “Bicicleta Lilás”. Já com a presença dos metais e percussão, existe uma tentativa também de se gravar um vinil e mais um DVD ao vivo.

Luzinete – A rainha da seresta paraibana começou a cantar desde os seis anos de idade, em escolinhas, parques de diversões, festas de aniversários e até eventos de prefeituras. Atualmente, ela possui 13 CD’s gravados, além de dois DVD’s. Durante todo esse tempo de carreira, Luzinete já abriu shows de vários nomes famosos da música brasileiro, como Núbia Lafayete, Jerry Adriani, Paulo Diniz, entre outros artistas.

Cultura popular – No primeiro dia dos folguedos, o público poderá assistir à chamada “barca”, que tem sua expressão mais forte na Nau Catarineta, de Cabedelo. O folguedo é uma tradição que chegou ao Brasil no século XVIII e, na Paraíba, em 1903. A apresentação narra a conquista dos portugueses.

Também na primeira noite haverá a apresentação do coco de roda de Vó Mera e Seus Netinhos. Ela é um dos expoentes mais carismáticos da cultura popular paraibana. Tradicional das festas juninas, era comum também a ocorrência da brincadeira durante a queima das peças de barro e madeira em fornos e carvoeiras.

Outra atração da cultura popular do primeiro dia da Festa das Neves é o Coco de Gurugi, puxado por Dona Lenita, sempre acompanhada por bombo, caixa e ganzá. A dança é feita em roda e remete às tradições africanas, muito fortes na região onde fica a comunidade.

O povo poderá assistir aos folguedos mais genuínos da Paraíba em um tablado, montado também no Ponto de Cem Réis, alternando com os horários dos demais shows, que acontecem no palco armando no mesmo local. Até o último dia da festa, serão 42 apresentações ao todo nesses dois espaços. Este ano o evento tem como tema ‘João Pessoa no Melhor de Sua História’.