Shows de Maciel Melo, Isabel Aquino e Maria Juliana, no Centro Histórico

Por - em 72

O ‘São João de João Pessoa – O melhor da gente’ pegou fogo na noite da quinta-feira (26) com os shows de Maciel Melo e da dupla Isabel Aquino e Maria Juliana. Quem foi ao Centro Histórico da Capital prestigiar a festa não conseguiu ficar parado por muito tempo diante do animado arrasta-pé no ritmo do forró pé-de-serra, além de outros folguedos de época.

No palco armado na Praça Antenor Navarro, o pernambucano Maciel Melo fez muita gente dançar e brincar ao som de canções de sua autoria bastantes conhecidas, como ‘Caboclo sonhador’, ‘Que nem vem-vem’, ‘Toque sanfoneiro’, ‘Quando vejo minha amada’ e ‘Pra ninar meu coração’, além de muitas outras que fizeram sucesso nas vozes de grandes intérpretes da música nordestina, como Dominguinhos, Flávio José, Zé Ramalho, Elba Ramalho e Fagner.

A performance e o som contagiante do forrozeiro arrancaram aplausos do público presente, garantindo muita animação. Fã de carteirinha de Maciel Melo, o repentista Roberto Nascimento disse que a participação de músicos como a do forrozeiro serve para difundir cada vez mais o universo da música regional. “Maciel Melo é um compositor maravilhoso. Em suas músicas, letras, ele fala dos sertanejos, dos seus sonhos. Ele é um poeta popular”, disse Roberto, que ao lado da esposa e filha dançava ao som de ‘Caboclo sonhador’.

Forrozão do Serafim – Primeira apresentação da noite no Palco da Praça Antenor Navarro, as cantoras Maria Juliana e Isabel Aquino relembraram grandes sucessos do paraibano Manoel Serafim, que dedicou mais de 30 anos de sua vida à difusão da música nordestina no Brasil. “Manoel Serafim tocou pandeiro para Jackson do Pandeiro”, lembrou Isabel Aquino, filha do forrozeiro, um dos ícones da música nordestina.

A dupla, formada por Isabel e a cantora Maria Juliana, considerada filha adotiva de Manoel Serafim, fez um show em homenagem ao artista popular que faleceu o ano passado, vítima de infarto, aos 66 anos. Elas interpretaram grandes sucessos dele, como ‘São João de João Pessoa’, ‘Boa professora’, ‘Maria da Paz’ e ‘Enquanto a chaleira não chia’, entre outros. Entre os músicos da banda, inclusive gente que tocava ao lado de Serafim, estava outra filha, a zabumbeira Arlinda Aquino.

“Eu assisti várias apresentações de Manoel Serafim e sua banda e também dancei muito ao som do ritmo forte e alegre dele. Então é muito bom lembrar hoje a música dele, através de suas filhas e de seus músicos”, disse emocionado Francisco Antônio Silva, 67 anos, que conferia o show de Juliana e Isabel acompanhado do filho Carlos Silva.

Atrações no Largo – Enquanto na Praça Antenor Navarro o público dançava e cantava ao som de Maria Juliana, Isabel Aquino e Maciel Melo, no Largo de São Pedro muitas apresentações também garantiam animação e brincadeiras para quem foi ao Centro Histórico da Capital prestigiar o ‘São João de João Pessoa’.

O Cavalo Marinho do Mestre Zequinha, de Bayeux, deu início as apresentações no Largo. Depois foi a vez dos cordelistas Mariano da Costa e Armando Fernandes, de Santa Rita, seguidos da Nau Catarineta, de Cabedelo; dos repentistas Maria Soledade, do Alto do Mateus, e Minervina Ferreira, de Cuité; do Mamulengo de Guarabira e do rabequeiro Luiz Paixão, de Condado. No Arraial do Varadouro, no Conventinho, quadrilhas juninas visitantes e convidadas deram um show à parte.