Simoninha e Alexandre França abrem Seis e Meia de novembro

Por - em 24

O Projeto Seis e Meia do mês de novembro será aberto nesta quarta-feira (5) com um dos mais festejados nomes da música brasileira desta década: o cantor, compositor e produtor cultural Wilson Simoninha. Ele vai trazer para o evento todo o balanço e brasilidade da música que faz com muita competência. Na abertura, o público terá o cantor e compositor paraibano Alexandre França, um dos grandes divulgadores da boa música feita no Estado.

O Projeto Seis e Meia é um vitorioso evento musical que acontece nas três primeiras quartas-feiras de cada mês, sempre divulgando a boa música feita por artistas de renome nacional e aqueles que atuam na Paraíba. Promovido pela Prefeitura de João Pessoa (PMJP) em parceria com a Accorde Produções, o Seis e Meia recebe o apoio cultural do Ambassador Flat e dos restaurantes Vila Cariri, Dona Branca e Cia. do Chopp.

Os shows acontecem a partir das 18h30 na Praça de Eventos do MAG Shopping em Manaíra. Os ingressos custam R$ 16,00 e R$ 8,00 e podem ser comprados antecipadamente ou na hora do evento no posto de vendas montado ao lado da bilheteria dos cinemas no primeiro piso do MAG. Informações pelo telefone 9134-7610.

Wilson Simoninha – Wilson Simoninha é filho de Wilson Simonal, uma das grandes vozes dos anos 60 e dono de um balanço e divisões rítmicas de primeira. Do pai, além do timbre vocal e da semelhança física, herdou o nome, que modificou um pouco para diferenciar-se.

Simoninha lançou o CD ‘Volume 2’, bem recebido pela crítica, praticamente na mesma época em que seu irmão, Max de Castro, saiu no mercado com ‘Samba Raro’. Em seu trabalho, evocou uma MPB dos anos 60, passando pelo soul, samba e bossa nova. Homenageou o pré-bossanovista Johnny Alf com ‘Eu e a brisa’ e Jorge Ben Jor na vinheta ‘Mas que nada’ e na suingada ‘Bebete vambora, com releitura eletrônica. Ben Jor, aliás, é autor de um dos maiores sucessos na voz de Wilson Simonal, ‘País tropical’. Simoninha assinou ‘Orgulho’, dividiu parceria com Bernardo Vilhena em ‘Aquele gol’ e cantou ‘Agosto’, do irmão Max de Castro.

O cantor praticamente saiu do berço trabalhando. Aos seis anos, fez a voz do personagem Cebolinha no disco ‘A Turma da Mônica’. Nos anos 80, integrou a Banda do Zé Pretinho de Jorge Ben Jor, que na época ainda assinava Jorge Bem. Também formou a ‘Suíte Combo’ ao lado de João Marcello Bôscoli, hoje diretor da gravadora Trama, responsável pelo disco ‘Volume 2’.

Nos anos 90, Simoninha trabalhou na produção do Free Jazz e do Hollywood Rock. Em 1995, participou do disco ‘João Marcello Bôscoli & Cia’. Recentemente, apareceu em ‘Artistas Reunidos’, registro ao vivo de um show que reúne ele, o irmão Max de Castro, dois filhos de Jair Rodrigues – Jairzinho e Luciana – e Pedro Camargo Mariano, filho de Elis Regina e meio-irmão de João Marcello.

Simoninha ainda atua nos bastidores da música, como diretor de uma das subdivisões da Trama, cuidando de nomes como Baden Powell, Demônios da Garoa e a Banda de Pífanos de Caruaru.

Alexandre França – Alexandre vem de uma família artística e desde cedo se iniciou na música. Em busca de sua identidade musical, conviveu com grandes nomes, dentre eles Mário Pessoa, Livardo Alves, Vital Farias, Rubinho Paraíba, Pedro Osmar, Chico César e Escurinho, além de ter buscado inspiração em artistas de renome nacional, como Sivuca, Jackson do Pandeiro, Milton Nascimento, Chico Buarque e Djavan. A música feita por Alexandre França procura a essência poética da MPB, do xote, baião e da ciranda.

O artista participou de vários festivais, coletivas e projetos musicais a exemplo do ‘Forró Fest’, ‘Circuito Cultural das Praças’, ‘Glória Vasconcelos’ e ‘Cantatorre’. Atualmente, Alexandre está produzindo material para seu primeiro CD, onde procura resgatar e manter o que há de mais autêntico na música regional e de raiz.