SMS capacita profissionais em Libras para melhorar atendimento a usuários surdos

Por Ascom SMS - em 392

A Secretaria Municipal de Saúde (SMS) conclui nesta quarta-feira (17), às 14h, na Policlínica Municipal do Cristo, a formação de mais uma turma de interpretes de libras na rede municipal. O curso tem a duração de 30 horas-aula, divididas em 15 encontros, destinado aos profissionais com interesse em se capacitar na comunicação e melhor acolher os usuários surdos nos serviços.

O encerramento do curso dos alunos formandos da Policlínica Municipal do Cristo e do Distrito Sanitário II, conta com apresentações de músicas e peça teatral em libras em homenagem ao Outubro Rosa, produzidos pelos profissionais da rede que participaram do curso. “A comunicação é fundamental para o ser humano, desse modo, o aprendizado em libras é importante na comunicação das pessoas surdas e, na rede municipal, podemos proporcionar uma melhor assistência aos usuários”, informou Rosângela Lima, assistente social e professora de libras.

O projeto Mãos que Multiplicam Saúde já capacitou cerca 300 profissionais na Língua Brasileira de Sinais (Libras), facilitando a comunicação e o atendimento de usuários surdos nos serviços de saúde da Prefeitura Municipal de João Pessoa. A capacitação começou ainda em 2014 e abrange as unidades de baixa, média e alta complexidade.

“Temos como finalidade, proporcionar aos usuários um atendimento qualificado na língua deles. Iniciamos a capacitação nos serviços de urgência e emergência, depois passamos para as Unidades de Pronto Atendimento (UPA) e agora estamos focados nas Unidades de Saúde da Família (USF), na atenção básica”, explica Rosângela Lima, uma das capacitadoras da rede SUS.

Cada Policlínica Municipal de Saúde Cristo, Jaguaribe e Mangabeira – conta com intérprete para atender os usuários surdos e acompanhá-los quando precisam de atendimento em outras unidades. A Ouvidoria Setorial de Saúde, as Unidades de Pronto Atendimentos, Hospitais e várias Unidades de Saúde da Família (USF) contam com profissionais que fizeram curso básico em libras.

“Com a capacitação, aumentamos o número de profissionais habilitados a prestarem o atendimento em saúde sem a necessidade do intérprete. Eles fazem o acolhimento, a triagem e o atendimento em si, se comunicando em Libras”, destacou Rosângela.

Capacitação – O curso tem a duração de 30 horas-aula, divididas em 15 encontros. De acordo com Rosângela Lima, são abordadas questões como legislações referentes ao tema, cultura e identidade das pessoas com surdez.  “Dentro da nossa programação e metodologia didática, nós trazemos usuários para contribuir com o curso, participando de simulações do atendimento com o profissional. Além disto, eles fazem apresentações musicais ou teatrais para incrementar o curso”, conclui.