SMS registra 468 casos de dengue e orienta como manter o controle do Aedes aegypti

Por Thibério Rodrigues - em 543

Nos cinco primeiros meses de 2018, a Secretaria Municipal de Saúde (SMS) notificou 847 casos de dengue e, desses, 468 (55%) foram confirmados até o momento. Durante todo o ano passado, foram registradas 2.384 notificações do vírus, sendo 1.712 casos confirmados. Segundo dados do Ministério da Saúde, João Pessoa apresenta índice satisfatório para baixa reprodução do mosquito Aedes aegypti.

De acordo com a Vigilância Epidemiológica do município, houve redução no número de casos de dengue em relação aos anos anteriores. Em 2016, por exemplo, foram notificados 6.962 casos e 5.968 confirmados. Já em 2015, foram registradas 4.884 notificações e confirmados 3.828 casos.

“Percebe-se que os números de notificações e casos confirmados do ano passado e nos cinco primeiros meses deste ano estão abaixo dos números registrados nos anos anteriores. No segundo semestre, há uma tendência histórica em aumentar o número de notificações em relação ao primeiro, mas os casos estão controlados”, afirmou Daniel Batista, gerente de Vigilância Epidemiológica.

Na semana passada, o Ministério da Saúde divulgou um levantamento que destaca João Pessoa como uma das três capitais que apresentam índice satisfatório para baixa reprodução do mosquito Aedes aegypti, transmissor do vírus da dengue. Na capital paraibana, o Índice de Infestação Predial (IIP) por Aedes aegypti é de  0,5%. Ou seja, a cada 200 imóveis, apenas um apresenta risco de reprodução do mosquito.

Orientações – Mesmo com o baixo índice de infestação do Aedes e números controlados de casos de dengue no município, o gerente de Vigilância Ambiental de João Pessoa, Nilton Guedes, destaca que é importante a população manter os cuidados para eliminar possíveis criadouros do mosquito, especialmente no período de chuvas, mais propício para a proliferação do vetor.

“As pessoas devem prestar atenção nas áreas externas de suas residências para evitar o acúmulo de água em qualquer tipo de recipiente, a exemplo de copos descartáveis e sacos plásticos. Importante ficar atento também a tonéis, calhas ou qualquer outro material que possa virar foco do mosquito”, orientou Nilton Guedes.

As áreas internas, inclusive em apartamentos, também devem ser monitoradas, pois também existem lugares que podem acumular água e se tornarem criadouros, como potes de água para animais, floreiras em varandas, reservatório de água para pássaros, dependência de empregada pouco utilizada (pia e vasos sanitários), área de serviço (atrás da máquina de lavar roupa), aparador de água de filtros de parede e vasos nas janelas e sacadas.

Ações de combate ao Aedes – A SMS definiu um grupo técnico operacional que planeja e desenvolve ações de controle e combate ao mosquito Aedes aegypti, transmissor de diversas doenças. Além das visitas domiciliares, as ações do grupo incluem visitas de agentes a hotéis, pousadas, cemitérios e mercados públicos, com a aplicação de inseticida sempre que necessário, além da distribuição de material educativo e orientações à população sobre formas de prevenção e de evitar o surgimento de criadouros para o mosquito.

Participação Popular – Quem souber de localidades com possíveis focos do Aedes aegypti, pode denunciar por meio dos telefones 0800-282-7959 ou 3214-5718. Os usuários também podem fazer a denúncia através do email coessmsjp@gmail.com.