Spok Orquestra vai aquecer a abertura do Folia de Rua

Por - em 24

Os metais irão aquecer os foliões nesta sexta-feira (25) durante o show da Spok Frevo Orquestra, do Recife (PE), na abertura do projeto Folia de Rua, no palco montado na Praça Antenor Navarro, Centro Histórico de João Pessoa, a partir das 21h. Antes dos metais pernambucanos, sobe ao palco a cantora e compositora Patrícia Moreira com orquestra de frevo, que apresentará um repertório autoral e fará releitura de clássicos de várias fases do carnaval brasileiro.

A concentração da folia começa a partir das 18h, com shows na Praça João Pessoa, no Centro pessoense, com as apresentações das cantoras Mira Maya, Maria Juliana e Nathalie de Lima, que unirão ritmos dançantes, pops e hits carnavalescos.

Os metais do ‘Spok’
– O grande diferencial da principal atração da abertura do projeto Folia de Rua, a Spok Frevo Orquestra, é a improvisação. Para quem imagina que já ouviu de tudo durante as execuções de frevos, está enganado. É a partir da improvisação dos 17 músicos ao lado de dois vocalistas, que o grupo promete aquecer os metais e envolver o folião paraibano no clima das prévias carnavalescas.

Durante uma hora e meia de show, a Spok Frevo Orquestra apresentará números de seu mais recente trabalho lançado em CD/DVD pela gravadora ‘Biscoito Fino’, intitulado ‘Passo de anjo ao vivo’ (2007), como ‘Passo de anjo’, de João Lyra e Spok; e ‘Frevo sanfonado’, de Sivuca e Glorinha Gadelha.

Mas não faltarão os clássicos do carnaval pernambucano: ‘Evocação nº. 1’, de Nelson Ferreira; ‘Bela’ e ‘Cala a boca menino’, ambas do mestre Capiba; ‘Pátria amada’ e ‘Banho de cheiro’, de Carlos Fernando, esta última gravada por Elba Ramalho. Outros ritmos também entrarão no repertório como ciranda, maracatu e uma variedade de frevos de rua, de bloco e canção. Da cena Manguebeat, surgida em Recife (PE), os músicos executarão ‘Praieira’ e ‘Manguetown’.

História – A Spok Frevo Orquestra é composta por músicos formados, em sua maioria, no Centro de Criatividade Musical do Recife, localizada na Rua da Aurora, no coração da capital pernambucana. Os integrantes estão juntos desde a criação da ‘Banda Pernambucana’ há mais de dez anos, que acompanhou Antônio Nóbrega durante a turnê do espetáculo ‘Na pancada do ganzᒠ(1995) e ‘Pernambuco falando para o mundo’ (1998). A partir de 2003, o grupo assumiu o nome Spok Frevo Orquestra, com a proposta conceitual de unir apresentações de baile e na rua a outras voltadas para a apreciação do ritmo em teatros e salas de concertos musicais.

Inaldo Cavalcante de Albuquerque, conhecido nacionalmente como maestro ‘Spok’, em entrevista por telefone afirmou que a expectativa de voltar a João Pessoa é das melhores possíveis. “A gente não toca muito em João Pessoa, mas é um prazer poder abrir um projeto tão importante como esse das prévias e mostrar os clássicos do nosso carnaval para o público paraibano. Vamos aquecer os metais preparando os foliões para o Carnaval”, ressaltou.

A Spok Frevo Orquestra já desenvolveu trabalhos com Elba Ramalho, Naná Vasconcelos, Geraldo Azevedo, Lenine, Alceu Valença e o maestro Sivuca em uma de suas últimas apresentações em Pernambuco. O grupo também acompanhou o multiinstrumentista, cantor e dançarino pernambucano Antônio Nóbrega com a turnê nacional do espetáculo ‘9 de Fevereiro’, que passou por João Pessoa em abril de 2007, no Teatro Paulo Pontes.

Dueto com o frevo – A afinidade de Patrícia Moreira com o frevo não é recente. Além de cantar o ritmo, a cantora e compositora tem composto alguns frevos e maracatus. Algumas dessas composições, como ‘Ao meu amor’ e ‘Praça da folia’, estarão no repertório ensaiado há um mês com uma orquestra de frevo ao lado de clássicos como ‘Hino do elefante’, ‘A pisada é essa’, ‘Frevo nº. 1’.

Patrícia e orquestra composta por dez músicos também fizeram leituras bem particulares de clássicos da música nordestina como ‘Feira de mangaio’, de Sivuca e Glorinha Gadelha; ‘Paraíba meu amor’, de Chico César; ‘Porta estandarte’, de Geraldo Vandré e Fernando Lona; e a marchinha ‘Bandeira branca’. Todas as músicas foram arranjadas no compasso do frevo para não deixar ninguém parado.

Com dois CD lançados no mercado, ‘Espelho’ e ‘Uma saudade’, e várias participações em festivais e projetos culturais na Paraíba e em outros estados do Nordeste, Patrícia Moreira se prepara para lançar o terceiro disco de carreira, ainda sem título definido. O show que antecede à atração principal Spok Frevo Orquestra será uma homenagem ao frevo. “Sempre cantei frevo e participei de carnaval, inclusive puxando trio elétrico. Por isso, esse show é tão importante. Enquanto as pessoas estiverem esperando a chegada dos blocos, a gente vai tocar frevos clássicos e mais contemporâneos para animar o Centro Histórico”, disse.

Aquecendo os passos de frevo – A cantora e compositora Mira Maya subirá ao anoitecer no palco montado na Praça João Pessoa para animar os foliões nas imediações do ‘Beco da Faculdade de Direito’. O repertório preparado para a festa será basicamente composto por samba, funk, samba rock, pop e frevos. Além do hino oficial do projeto Folia de Rua, Mira Maya apresentará a música ‘Esperando carnaval’, um samba-drum bass que transformará em samba-frevo. O show também terá composições de seu primeiro CD ‘Garrafa sem mensagem’, independente e em fase de produção.

O segundo show da noite será de Maria Juliana, conhecida pela versatilidade musical tanto no segmento erudito quanto popular. Para o show durante a concentração do Folia de Rua, ela reservou músicas suingadas e alegres, sem o lirismo do segmento erudito.

A cantora paraibana Nathalie de Lima esquentará os foliões antes do grande arrastão do bloco ‘Anjo Azul’, que sai do beco em direção à Praça Antenor Navarro, onde se encontra com os blocos ‘Picolé de Manga’, ‘Folia Cidadã’, ‘Cordão Encarnado’, ‘Pingüim’ e ‘Confete & Serpentina’. A cantora, conhecida por interpretar a MPB e o pop, fará um show dançante, incluindo hits de sua carreira registrados no CD ‘Alvissas’, lançado em 2005.