Trânsito é tema do ‘Muriçoquinhas’ para o desfile no carnaval de 2008

Por - em 57

A humanização do trânsito em João Pessoa vem se tornando um diferencial para a cidade e para o estilo de vida do pessoense. Nos últimos anos, segmentos da sociedade têm procurado discutir e difundir a educação para o trânsito e, assim, evitar a perda de vidas e formar motoristas e pedestres conscientes. Como meio de sensibilizar ainda mais a população através de uma festa popular onde as crianças são os atores principais, o bloco carnavalesco infantil ‘Muriçoquinhas’ escolheu o trânsito como tema para o seu desfile no carnaval 2008. O bloco sairá no dia 28 de janeiro da ‘Praça das Muriçocas’ em direção ao Busto de Tamandaré, na orla marítima.

Os organizadores do bloco ‘Muriçoquinhas’ entendem que a participação da sociedade é fundamental nesse processo de mudança de comportamento no trânsito. Por isso, decidiram investir na conscientização das crianças e adolescentes despertando desde cedo para a importância de cada um fazer a sua parte, construindo um trânsito mais humano e menos violento. A idéia é fazer com que os foliões mirins passem a conhecer e obedecer às regras de trânsito de uma forma descontraída e alegre, tornando-se agentes multiplicadores do processo de educação para o trânsito junto aos adultos.

“Observando as campanhas educativas e percebendo que hoje a maior causa de morte no trânsito é falta de atenção e o desrespeito, o ‘Muriçoquinhas’ decidiu prestar um serviço à população, usando o tema trânsito para o desfile do próximo ano”, explicaram Eliane Holanda e Mary Caldas, responsáveis pela agremiação. “Queremos que as crianças e os pais reflitam e tenham um olhar mais crítico sobre o trânsito e com isso ajudem a diminuir o número de acidentes nas ruas de nossa cidade”.

A Prefeitura de João Pessoa dará o apoio necessário ao desfile como o faz todos os anos. Além da parceria com o bloco, a Superintendência de Transportes e Trânsito (STTrans) da Capital disponibilizará equipes de agentes de trânsito e fiscais de transporte para dar segurança ao desfile desde a saída na Praça das Muriçocas, em Miramar, até a chegada ao Busto de Tamandaré, em Tambaú. Pelo segundo ano, o bloco “A faixinha”, formando pelos filhos dos servidores da Autarquia, desfilará pela avenida da folia.

“A Prefeitura de João Pessoa e, em especial a STTrans, agradecem aos organizadores das Muriçoquinhas pelo apoio ao trabalho que vêm realizando na busca por um trânsito mais seguro para todos”, enfatizou o titular da pasta, Deusdete Queiroga. Segundo ele, o bloco é um veículo de disseminação de idéias e divulgação de mensagens.

Camiseta – A primeira ação do ‘Muriçoquinhas’ acontecerá no próximo dia 15, com o lançamento da camiseta e adesivos 2008, na Praça das Muriçocas, a partir das 17h. O tema trânsito estará inserido na camiseta como forma de lembrar aos foliões que é preciso unir o lúdico, o divertido a um tema tão sério que é o trânsito. Os organizadores prometem muita animação e descontração ao som de uma orquestra de frevo. Naquele dia, bonecos gigantes e toda a equipe de educação para o trânsito da STTrans estarão distribuindo panfletos educativos no evento.

Histórico – O bloco carnavalesco infantil ‘Muriçoquinhas’ nasceu em 1992. Inicialmente, com a participação das crianças que junto com seus familiares faziam um pequeno percurso pelo bairro do Miramar, acompanhados por uma mini-orquestra (cinco componentes) de frevo.

A cada ano o número de adeptos foi crescendo e a pedido dos próprios foliões, o bloco infantil passou a descer a ladeira da Avenida. Epitácio Pessoa, que liga o bairro do Miramar a praia de Tambaú. Hoje o “Muriçoquinhas” arrasta aproximadamente 150 mil pessoas de 0 a 90 anos, já que há uma grande participação de adultos acompanhando os pequenos e animados foliões.

A ‘Segunda-feira da Alegria’, denominação do dia em que sai o bloco, já é tradição carnavalesca para os pessoenses. Segundo Eliane Holanda, a responsabilidade social e resgate da cultura regional são as diretrizes fundamentais do bloco. “Apresentar danças, artes, costumes, vestimentas, músicas, e brincadeiras originárias da nossa terra, e que fazem parte da nossa rica cultura, é mais que uma obrigação para nós, é um verdadeiro prazer”, ressaltou.