‘Trio Medeiros’ e ‘Banda 5 de Agosto’ encerram festival ‘Música do Mundo’

Por - em 28

O Festival ‘Música do Mundo’, promovido pela Prefeitura de João Pessoa (PMJP) com o patrocínio da OI, foi encerrado na noite deste domingo (30) com a apresentação emocionante do Trio Medeiros e da Banda 5 de Agosto, duas atrações genuinamente paraibanas. Milhares de pessoas de todas as idades, inclusive famílias, compuseram um cenário perfeito e interagiram harmoniosamente com o melhor da música instrumental.

O ‘Trio Medeiros’, primeira atração da noite, levou ao palco um repertório de composições com arranjos marcantes como ‘Saltos’, de Paulo Ró; ‘Maracatu’ (Nação Amor), de Moacir Santos; Brasileirinho e trabalhos de compositores paraibanos como Chico César e João Linhares, homenageado pelo Trio.

O show, além de muito divertido e dinâmico, foi marcado pela alta qualidade musical dos seus componentes Xisto Medeiros no contra-baixo e violoncelo; Helinho Medeiros, considerado um dos grandes pianistas da cidade e o baterista e percussionista Hermes Medeiros. O sobrenome Medeiros não é coincidência Xisto é primo dos irmãos Helinho e Hermes.

Xisto Medeiros destacou o apoio que vem sendo dado pelo governo municipal à música instrumental paraibana, que é muito bem representada por grupos como o Quinteto da Paraíba, JP- Sax e Quarteto de Trombones. Ele lembrou que desde 1978 os grupos vêm dando uma expressão nacional ao que é produzido na Paraíba e um evento como este é muito positivo para a interação entre o que é produzido na Paraíba e em outros estados.

O encerramento do Festival ficou com a Banda 5 de Agosto, que foi fundada em 1964, pelo então maestro Tenente Lucena e regida atualmente pelos maestros Rogério Borges e Adelson Machado, este último um dos fundadores. A primeira apresentação da banda ocorreu durante comemorações da Festa das Neves de 1964 e, desde então, eles participaram de todas as edições da festa da padroeira de João Pessoa, Nossa Senhora das Neves.

No repertório do último domingo, composições como ‘Pepita Greus’, de Perez Chovi; ‘Cinema Paradiso’, de Ennio Morricone, ‘Pensando em Hilbert’, de Adelson Machado; ‘Um Adeus as Ilusões’ (bolero), de Wandre Wildner; ‘Porta do Sol’, do mestre Fuba; ‘Um Chorinho em Aldeia’, de Severino Araújo e ‘Os Caba da Paraíba’, de Rogério Borges.

O maestro Adelson Machado se disse emocionado em encerrar um festival de tanta importância para a música instrumental e poder dividir o palco com músicos de excelente qualidade. “Eu participei praticamente de todos os dias do festival e, particularmente, é uma grande emoção para mim e para o grupo encerrar o ano com uma apresentação tão bonita no Busto de Tamandaré. Hoje podemos dizer que a banda 5 de Agosto não toca apenas em eventos oficiais e inaugurações, mas está inserida no circuito musical da cidade”, contou o maestro.

Evento consolidado – O presidente da Fundação Cultural de João Pessoa, Lau Siqueira, destacou que nesta segunda edição o festival se consolida definitivamente no calendário cultural da cidade pelo conceito e por trazer música instrumental de excelente qualidade. Lau Siqueira destacou que a instalação de três mil cadeiras e a tranqüilidade do evento possibilitaram a participação do público da Terceira Idade.

Ele também adiantou que no próximo ano o festival acontecerá novamente em dezembro com atrações de alto nível. “Tudo aconteceu em perfeita harmonia um cenário perfeito com a expressões musicais como Café do Vento (RN), Rivotril (PE), Gilson Peranzeta (RJ), ‘Néctar de Groove’ , Trio Medeiros e a participação de um público eclético de crianças, jovens, adultos e principalmente idosos”, avaliou.