PlanMob João Pessoa - Plano Diretor de Mobilidade Urbana

Trio Nordestino e Forró Caçuá transformam Centro de JP em “arraiá”

Por - em 342

“Quando toca o forró todo mundo quer dançar, a moçada se assanha ninguém quer ficar parado”, diz o refrão da música Forró Pesado, uma das muitas apresentadas pelo Trio Nordestino e a banda Forró Caçuá, que transformaram o Ponto de Cem Réis num verdadeiro “arraiá” na noite de terça-feira (26).

Ao som do autêntico forró e do arrasta-pé, Trio Nordestino e Forró Caçuá embalaram os forrozeiros que foram prestigiar a 5ª noite do “São João de João Pessoa – O Melhor da Gente”, promovido pela Prefeitura Municipal de João Pessoa (PMJP), por meio da Fundação Cultural (Funjope), que este ano homenageia Luiz Gonzaga e Marinês.

A programação foi aberta logo cedo, às 18h, com a apresentação, no palco da cultura popular, do Coco de Roda Novo Quilombo do Gurugi, que contagiou o público, arrancando aplausos e levando muita gente ao tablado para dançar.

Logo depois foi a vez de Chameguinho do Forró incendiar o público. Com 20 anos de carreira e sete CDs gravados, o sanfoneiro não deixou ninguém ficar parado ao tocar muito forró, xote, xaxado e baião. Em seu show ele interpretou músicas de Flávio José, Trio Nordestino e Três do Nordeste, além de “É muita Areia Pro Meu Caminhão” e “Tempo de Criança”, entre outras, que compõem seus álbuns.

O primeiro a se apresentar no palco principal instalado no Ponto de Cem Réis foi a banda Forró Caçuá. Com dez anos de estrada, formado por Batista Moreno (violão e voz), Zé Moreno (guitarra e voz) e Damião Moreno (sanfona e voz), o grupo mostrou canções de grandes intérpretes da música nordestina, como Pinto do Acordeon, Jackson do Pandeiro, Dominguinhos e Genival Lacerda, entre outros.

O público respondeu cantando e dançando. “Não tem como ficar parado. Adoro forró e conheço o trabalho do Forró Caçuá. A Prefeitura de João Pessoa está de parabéns por promover e oferecer para os paraibanos uma festa tão animada e com tanta gente boa. João Pessoa também tem São João e eu não perco um”, disse entusiasmado o comerciante Wellington Sérgio, que curtia a festa ao lado de amigos.

O Trio Nordestino fechou a noite com chave de ouro. Com mais de 50 anos de tradição e 40 álbuns gravados, o grupo formado hoje por Beto Sousa (na sanfona), Coronéto (no zabumba) e Luiz Mário (no triângulo) não deixou ninguém parado no Ponto de Cem Réis, contando a história do povo nordestino através do forró. O público pode conferir e curtir grandes sucessos do Trio Nordestino, como “Forró Pesado”, “Chililique” e “Procurando Tu”. Músicas do mais recente CD do grupo, a exemplo do xote “Tá Ligado Doido”, também animaram pessoenses e turistas no Ponto de Cem Réis.

“É bom demais. Eles são maravilhosos, tocam e cantam as coisas do Nordeste, nesse ritmo contagiante que é o forró, que encanta qualquer um, seja nordestino ou não, velho ou jovem”, disse entusiasmado, ao lado da esposa, Marcelo Fontes, paulistano de 46 anos, que há três anos, revela, curte os festejos juninos na Paraíba. “Minha mãe nasceu aqui e eu já conhecia a Paraíba, mas só há três anos passei a vir nessa época. Já conheci o São João de Campina, Galante e agora o de João Pessoa. Quem não conhece não sabe o que está perdendo”, acrescentou o bancário.