Última noite do Estação do Som atrai multidão e consolida evento

Em 0 72

A última noite do Estação do Som, neste sábado (28), foi fechada com chave de ouro. O roqueiro Frejat levou o público que estava nas areias da praia de Tambaú ao delírio com canções de sucesso. Uma surpresa especial agitou a galera, que entoou um coro na música ‘Exagerado’: a participação do cantor Bruno Gouveia, que integra a banda Biquini Cavadão. O grupo genuinamente paraibano Zé Viola fez a abertura do evento, uma realização da Prefeitura Municipal de João Pessoa (PMJP), por meio da Fundação Cultural (Funjope), em parceria com o Governo Estadual.

Segundo o secretário da Funjope, Milton Dornelas, o projeto foi um sucesso não só de entretenimento, mas também favoreceu e movimentou a economia da Capital. “Conseguimos uma programação que atendeu a diversidade cultural com samba, rock, MPB. Casa cheia o tempo todo, tanto no Centro, como na praia. Acredito que esse é o resultado do trabalho que temos feito nos últimos sete anos. Estamos colhendo os frutos. Um projeto que já faz parte do calendário da cidade e a tendência é só melhorar, partir para voos mais audaciosos.”, revelou.

Apresentando a turnê “A Tal da Felicidade”, Frejat elogiou o incentivo ao trabalho dos artistas locais. “O Brasil tem que ter mais essa cultura. É lógico que artistas nacionais têm o apelo maior do público, mas é justamente isso que tem que se aproveitar para mostrar o trabalho dos artistas locais, usar a popularidade deles para dar espaço. A gente tá acostumado a sair de casa pra ver o que a gente quer, o que já imaginou ver. Temos que nos acostumar a ser surpreendidos”, afirmou.

O artista, com 30 anos de carreira, preparou um repertório recheado de grandes sucessos de sua autoria e de outros artistas como Paralamas do Sucesso, Legião Urbana e Caetano Veloso e falou a sua relação com a cidade. “Todas as vezes que venho a João Pessoa eu tenho um público muito caloroso, então preparamos um show festeiro, bem pra cima para o público se divertir, curtir, relaxar e esquecer os problemas”, contou.

Público animado – As pessoas presentes ao show corresponderam às expectativas do roqueiro e o ajudaram a fazer a festa. Animados, cantaram as músicas junto com o artista e ficaram com gostinho de quero mais quando ele se foi. Para as amigas Marília Sales e Maria Verônica, a prefeitura está de parabéns pela organização do evento e escolha das bandas. “Viemos para outros shows e sempre com essa animação, organização, bom clima, ambiente familiar. Não faltou nada. Nos sentíamos seguras e tranquilas para aproveitar bem a festa”, disse.

Ronaldo Filho reiterou a importância da valorização cultural, principalmente para os artistas da terra. “Temos que valorizar o que é fruto de nossa cidade. O evento fica mais gostoso com essa troca e presença dos dois lados. Os cantores selecionados foram todos excelentes, sem falar no incentivo ao turismo”, frisou.

Acessibilidade – Todos tiveram a oportunidade de assistir aos shows da banda favorita. A PMJP, por meio da Funjope e o Governo Estadual, por meio da Fundação de Apoio ao Deficiente (Funad) montou uma estrutura de apoio para pessoas com necessidades especiais nos eventos.

De acordo com Célia Coutinho, mãe de um portador de necessidades especiais, o espaço mostrou que a cidade tem respeito com todas as pessoas. “Eu parabenizo a administração por essa iniciativa. Se não tivesse esse lugar eu não teria como trazer meu filho que gosta tanto de música para assistir ao show. Não só ele, mas muitas outras pessoas com outras necessidades como cadeirantes e até idosos tiveram um espaço para também curtir a folia”, elogiou.

Zé Viola – A noite foi regada de rock do começo ao fim, mas no caso da banda paraibana, um rock com uma linguagem mais regional, com influências da década de 70. O grupo formado por André Nóbrega (vocal e guitarra), Reinaldo Fernandes (guitarra), Rodrigo Torres (baixo) e Vado Silva (bateria) apresentou um repertório próprio, mesclado com canções de outros artistas.

“Já tínhamos tocado em outros festivais. O público é muito critico no que quer escutar, mas também sabe valorizar quando gosta. Então ficamos muito felizes com a apresentação e a troca com as pessoas presentes. É mais do que um show, é uma realização pessoal de participar de um festival como esse, abrindo o show de um grande artista como Frejat”, afirmou.

Atrações – Durante o mês de janeiro passaram pelo Estação do Som atrações nacionais como Luiz Melodia, Monobloco, Lenine, Jorge Aragão, Marcelo Camelo, Lulu Santos, Ivan Lins e Frejat e também atrações locais como a cantora Rinah, a banda Pé de Coco, Júnior Cordeiro, Banda Omelete, Wister, Gláucia Lima, Eleonora Falcone e Zé Viola.