Usina transforma metralha em material para obras da PMJP

Por - em 135

O problema do destino dos resíduos da construção civil nas grandes cidades é uma das maiores preocupações de ambientalistas e cidadãos. Mas em João Pessoa este resíduo recebe um novo destino ao chegar à Usina de Beneficiamento de Resíduos Sólidos da Construção e Demolição (Usiben), empreendimento administrado pela Autarquia Especial Municipal de Limpeza Urbana (Emlur).

O objetivo da usina, que existe desde 11 de dezembro de 2007, é o de aproveitar todo o material resultante de demolição, reforma e construção de obras da engenharia civil, transformando-o em areia, bica corrida, cascalho, brita e pedra rachão, usados em obras da Prefeitura Municipal de João Pessoa (PMJP).

Beneficiando cerca de 20 toneladas de metralha por hora, a Usiben é a primeira usina pública do Nordeste a realizar esse tipo de trabalho com resíduos da construção. Em 2008, entraram na usina cerca de 24 mil m³ de material e foram beneficiados mais de 14 mil m³. De janeiro a abril deste ano, foram produzidos pela Usiben 3.876 m³. Segundo informações da diretoria de manutenção da Secretaria de Infraestrutura (Seinfra), desde que a Usiben foi instalada cerca de 80 vias da cidade foram beneficiadas com o uso desse material.

Antes de iniciar alguma obra, as construtoras devem apresentar um plano de gerenciamento de seus resíduos. Caso não tenha um destino para a metralha, estas devem contratar uma transportadora para levar o material à usina, que recebe e beneficia o resíduo de forma gratuita. As empresas que realizam o transporte da metralha devem ser cadastradas na autarquia.

Segundo Orlando Soares, diretor de Operações da Emlur, ao contratarem terceirizados para fazer o transporte, as pessoas devem se certificar se o material foi realmente para a usina. “A população deve exigir que a transportadora apresente o comprovante de que a metralha foi realmente depositada na Usiben”, alertou. Para isso, a empresa que realiza o trabalho deve apresentar uma via, carimbada e assinada, do Controle de Transporte de Resíduos (CTR).

Ecopontos – Existe um projeto de implementar, em pontos estratégicos da cidade, os chamados ‘Ecopontos’, locais onde os carroceiros poderão depositar a metralha recolhida. A partir desses pontos, a própria Emlur realizará o transporte até a usina. Alguns ‘Ecopontos’ já funcionam, mas em caráter provisório, nos bairros de Mangabeira, Valentina, Água Fria, Jaguaribe, Bairro dos Estados, Torre e Manaíra.

Seminário – Para o superintendente da Emlur, Coriolano Coutinho, a importância da Usiben é que o material da construção civil, que antes era depositado em lugares inadequados, agora recebe um novo destino, evitando problemas ambientais e a proliferação de doenças. “Estamos realizando um trabalho voltado para a preservação do meio ambiente que a Autarquia vem desenvolvendo na cidade”. ressaltou o superintendente, que vai abrir nesta sexta-feira (22), a partir das 8h, o Seminário ‘Gestão dos Resíduos da Construção e Demolição no Estado da Paraíba’, no auditório do Sindicato da Indústria da Construção Civil em João Pessoa (Sinduscon/JP).

O evento vai discutir o destino dos resíduos da construção e da demolição e tem como objetivo sensibilizar empresários da construção e a população a utilizarem a Usina de Beneficiamento de Resíduos Sólidos da Construção e Demolição (Usiben), que está localizada rua Antonieta Sátiro, sem número, Jardim Laranjeiras, no José Américo. O seminário é promovido pela Secretaria de Meio Ambiente (Semam) e da Autarquia Municipal Especial de Limpeza Urbana (Emlur), pela Universidade Federal da Paraíba (UFPB) e pelo Sinduscon/JP, será aberto ao público, que poderá confirmar presença pelos telefones 3218 9211 ou 3244 1274.