Usuários dos CAPS comemoram dia da luta antimanicomial em JP

Por - em 26

A Secretaria Municipal de Saúde (SMS) está realizando ações para lembrar o dia da Luta Antimanicomial, comemorado em 18 de maio. Nesta quarta-feira (27) haverá apresentação do espetáculo teatral “Somos Iguais na Diferença”. Na sexta-feira (29), os usuários assistidos pelo Centro de Atenção Psicossocial (CAPS) farão um passeio de trem.

A peça é encenada pelo Grupo de Teatro Terapêutico CAPS Dr. Gutemberg Botelho e tem usuários do serviço como atores. O grupo, que é coordenado por um professor de teatro, é ganhador do prêmio nacional do Programa Cultura Viva. “Somos Iguais na Diferença” concorreu com mais de 150 projetos de todo o país. Desta vez, o grupo irá apresentar o espetáculo no Teatro do SESI, em João Pessoa, às 19h desta quarta-feira. A taxa de adesão é de R$ 5. O outro evento será às 10h de sexta-feira. Será o 5º Passeio de Trem “Na Trilha da Cidadania” com os usuários assistidos pelo CAPS. Este ano, sairá da Estação Ferroviária de João Pessoa (CBTU) com destino à Cabedelo.

Sobre o passeio de Trem – Há cinco anos é realizado o projeto “Na Trilha da Cidadania”, como forma de comemorar o dia 18 de maio, data alusiva a Luta Antimanicomial. Este projeto é destinado aos usuários dos CAPS Gutemberg Botelho, CAPS i Cirandar e CAPS Caminhar, além de trabalhadores e todos aqueles que estejam envolvidos com a luta antimanicomial.

Este passeio já é marca registrada na Saúde do Município, pois os usuários e familiares podem se confraternizar com os usuários dos CAPS da Região Metropolitana de João Pessoa. “Podemos dizer que além de ser um momento de lazer e descontração, é um momento em que estamos trabalhando a autonomia, a cidadania e a inclusão do usuário na sociedade. É tempo de comemoração, é tempo de reflexão, é tempo de respeito a vida”, disse Valéria Cristina, Chefe da seção da Saúde Mental.

“Esperamos contar com a presença de aproximadamente 210 usuários dos CAPS da Capital e de 250 usuários dos CAPS da Região Metropolitana. Além da Secretaria Municipal de Saúde de João Pessoa, temos a parceria da CBTU, FUNJOPE, e as secretarias de saúde dos municípios de Bayeux, Santa Rita e Cabedelo”, afirmou.

Sobre a peça – O Trabalho premiado “Somos Iguais na Diferença” aborda a crise psicótica de um esquizofrênico, que é conduzido por diversas formas de tratamento (internações em hospitais psiquiátricos e cultos religiosos), mostrando, ainda, os preconceitos que permeiam a sociedade, em particular, aos portadores de sofrimento psíquico, fazendo uma reflexão sobre o respeito às diferenças comportamentais, resgatando o direito de igualdade e sinalizando para um novo modelo de assistência aos usuários dos serviços de saúde mental.

No primeiro momento, a peça mostra a realidade de pacientes internos em hospitais psiquiátricos tradicionais e o conceito de loucura desde a idade medieval até a idade contemporânea, utilizando textos das obras de Paulo Coelho e Augusto Cury, “Verônica Decide Morrer” e “O futuro da Humanidade”, respectivamente. No segundo momento retrata os delírios persecutórios auditivos e visuais do portador de esquizofrenia, abordando ainda o sincretismo religioso e os conflitos familiares provocados pelo fanatismo presente na prática das diversas crenças apresentadas durante a peça.

Sobre o Grupo – O Grupo de Teatro Terapêutico CAPS Dr. Gutemberg Botelho foi criado em janeiro de 2005 e é formado por aproximadamente 30 usuários, coordenados por um professor de teatro, com a colaboração de um enfermeiro e um assistente social, contando com o apoio da direção e trabalhadores deste serviço.

O objetivo principal é trabalhar a auto-estima, os conflitos psíquicos, o resgate da cidadania e a inclusão social dos portadores de transtornos mentais através da teatroterapia. Desde a sua formação, este grupo produziu vários trabalhos terapêuticos, a exemplo das peças teatrais: “A Crucificação”, apresentada no Largo da Igreja São Frei Pedro Gonçalves; “A Cruz Negra”, que teve grande repercussão por abordar o preconceito e maus tratos contra as mulheres; “Tirintintin Tonrontonton”, que faz uma representação diferenciada do nascimento do Menino Jesus; “Guri de Rua”, que trata de questões sociais que permeiam adolescentes em situação de riscos, e “Somos Iguais na Diferença”, que já conta com inúmeras apresentações e um público por volta de 5.000 pessoas, além de performances e vários outros trabalhos.