Vândalos queimam papeleiras na Praça da Amizade, no Rangel

Por - em 14

As papeleiras e contentores de lixo instalados pela Autarquia Especial Municipal de Limpeza Urbana (Emlur) nas vias públicas, praças e orla marítima continuam sendo alvo dos vândalos. A destruição desses recipientes, utilizados para que as pessoas acondicionem de forma correta o lixo quando estiveram nesses locais, causa prejuízos aos cofres públicos. Quando não são totalmente quebrados, os equipamentos são roubados e até mesmo queimados, ficando inutilizados até para recuperação. Foi o que ocorreu nas últimas semanas na Praça da Amizade, no Bairro do Rangel. Das sete papeleiras instaladas pela Emlur apenas duas continuam intactas.

Na orla é comum encontrar os equipamentos fora dos postes com a cinta de aço danificada, restando apenas a parte superior. Isso acontece principalmente nos finais de semana, quando há grandes eventos na praia.

Josemar Gonçalves, jardineiro que cuida da Praça da Amizade, contou que, além dos cestos de lixo, os vândalos já roubaram canos, plantas, quebraram bancos e brinquedos, além de picharem os muros. A gente deixa tudo arrumado e quando chega no outro dia encontra as coisas quebradas, plantas arrancadas e a grama pisada, lamentou.

O autônomo Carlos Alberto, que mora em frente à praça, está indignado com a ação dos vândalos. “De madrugada dá para ouvir o barulho. Às vezes consigo evitar a depredação na praça, mas temo enfrentar os vândalos”, disse.

Prejuízos – A Emlur tem vários custos para repor o recipiente quando destruído, como a compra de novos equipamentos e a instalação. O custo das papeleiras gira em torno de R$ 83,00 e o de contentores varia entre R$ 141,67 e R$ 225,00. Só na Praça da Amizade os prejuízos chegaram a R$ 415,00 com a destruição das cinco papeleiras. A Autarquia vem tendo uma baixa mensal de aproximadamente 15 delas, independente dos problemas com contentores que também são destruídos e queimados. Em período de festa esse número aumenta para 20 e até 25 baixas no mês. Em dezembro, a empresa recebeu 200 papeleiras com capacidade para 50 litros, 150 contentores de 120 litros e mais 100 de 240 litros para serem instaladas na cidade.

Para o superintendente da Emlur, Coriolano Coutinho, essa ação de vandalismo traz um prejuízo enorme para a cidade, pois tira das pessoas a opção de jogar o lixo no local adequado. “Sem os contentores e papeleiras não há como manter a cidade limpa”, observou. A população pode denunciar atos de vandalismos contra equipamentos da Emlur por meio do ‘Alô Limpeza’, 0800 083 2425. É bom lembrar que esses bens públicos são adquiridos com impostos pagos pelos cidadãos e devem ser cuidados pela população.