Versão mobile do portal da PMJP registra mais de 10 mil acessos

Por - em 116

O portal da Prefeitura Municipal de João Pessoa (PMJP), na versão para celulares, smartphones e tablets, registrou em menos de um mês mais de 10 mil visualizações. A versão mobile está disponível para esses usuários desde o dia 13 de março e surgiu da necessidade dos moradores da cidade obterem acesso às informações e serviços da administração municipal, independente de onde vão acessar a rede mundial de computadores. O endereço é www.joaopessoa.pb.gov.br.

A versão mobile foi desenvolvida em HTML 5.0. O acesso é independente de plataforma ou sistema operacional de celular, tanto em iPhone como em dispositivos que funcionam com o sistema Android, Symbian e nos tablets.

Segundo Flávio Mendes, coordenador do Portal, o desenvolvimento dessa versão mobile foi criada para atender o aumento considerável no número de pessoas que tem smartphones, tablets e celulares com acesso à internet. “Levamos em consideração essas pessoas, porque agora elas têm a praticidade de acessar o conteúdo do portal facilmente, com serviços, notícias e um formulário de contato para o cidadão”, explicou.

O portal na versão mobile foi lançado no dia 15 de março e foram registradas, até agora, 10.881 visualizações de página. “Isso indica que essa versão é um sucesso, porque as pessoas ficam mais à vontade, pois levamos em consideração também a capacidade de acesso nesse formato mais enxuto. A maioria dos visitantes é de usuários de iPhones (47%), em seguida o sistema Android, Nokia, SymbianOS e outros. A média de tempo dos usuários é de aproximadamente três minutos, o que faz com que a pessoa tenha a informação e fique satisfeita, que é o objetivo do site”, ressaltou Flávio Mendes.

De acordo com a equipe que desenvolveu essa versão, o resultado surgiu da necessidade de se fazer uma versão mais enxuta para o portal, e também, pelo aumento de usuários de celulares com acesso à internet na Capital do Estado. “Esse resultado se deu exatamente pela necessidade que as pessoas tinham de uma versão mais leve, clara e objetiva do portal; sem precisar ‘carregar’ todos aqueles elementos do portal convencional, acessado através de um computador (desktop) ou notebook. Outras prefeituras, governos estaduais e até o governo federal deveriam seguir o exemplo e criar essas versões”, explicou Sérgio Vilar, analista desenvolvedor da Secretaria de Comunicação (Secom).