Violência e cultura de paz são debatidas na Estação Cabo Branco

Por - em 31

A construção de uma praça ou a implantação de sistemas de iluminação nas vias públicas também são medidas de segurança pública, afirma o presidente do Fórum Nacional de Segurança Pública, Paulo César Sette Câmara, que foi um dos palestrantes do 2º Seminário Municipal para Discussão da Violência e Estímulo à Cultura de Paz, realizado na Estação Cabo Branco.

O evento, promovido pela Secretaria Municipal de Saúde (SMS), na última sexta (31), teve o objetivo de fomentar uma melhor percepção da violência e sua relação com a saúde pública, a educação, o turismo e também das condições de segurança da cidade com os equipamentos públicos.

Durante o seminário foram discutidas políticas públicas para o enfrentamento da violência e a disseminação de uma cultura de paz e segurança pública, controle social e intersetorialidade na construção dessa tranqüilidade.

A mesa de trabalhos contou com a participação da secretária municipal de Saúde, Roseana Meira, que falou da importância da realização do evento como oportunidade de relembrar as conseqüências que a violência traz para o convívio social e especialmente para a saúde pública.

Intersetorialidade – Em sua palestra, Paulo César Sette Câmara, ressaltou que a questão da segurança muitas vezes está associada à ação da polícia, o que para ele é uma visão equivocada: “As pessoas associam a segurança com a polícia, mas é preciso deixar claro que há aqui um aspecto muito forte de intersetorialidade. Ou seja, a construção de praças públicas, a iluminação como foi feita na cidade, também são medidas de segurança. A participação do cidadão no dia-a-dia da comunidade é vital para que tenhamos uma segurança pró-ativa.”

O tema exposto pelo presidente do Fórum foi “Democracia, processos participativos e segurança pública”, onde ele apontou a violência no trânsito como um dos principais indicadores de violência em todo o país: “O cidadão que bebe e dirige um carro está sendo tão criminoso quanto um bandido qualquer. É preciso ressaltar que 90% dos casos de violência são praticados por cidadão comuns, por qualquer um de nós”, disse.

Durante todo o dia houve a apresentação de palestras com os temas “Políticas Públicas para o enfrentamento da violência”, “O papel da saúde em enfrentar a violência e promover a cultura de paz”; “Avanços da Secretaria Municipal de Saúde no enfrentamento à violência e estimulo à cultura de paz”, “Políticas públicas no âmbito da Secretaria de Educação para o enfrentamento das violências”; “Prevenção social da violência”, “A intersetorialidade do turismo e a indústria de paz”. As atividades foram encerradas com a apresentação da peça teatral “Nunca é tarde para ser feliz”, do grupo de agentes comunitários de saúde premiado na Amostra Nacional de Saúde da Família, em Brasília.