Vital celebra alegria e relembra canções que marcaram sua carreira

Por - em 26

Vestido de branco, com chapéu de palha na cabeça e seu violão inseparável, Vital Farias marcou sua volta aos palcos paraibanos com uma apresentação bem intimista, para uma platéia de, aproximadamente, quatro mil pessoas, presentes na segunda noite do projeto ‘Estação Nordeste’, neste sábado (5). Já o artista paraibano Adeíldo Vieira subiu no palco com um repertório alto astral, com canções que estarão presentes em seu novo CD. “Aqui me sinto em casa, aqui me sinto em paz”, foi assim que a cantora Gláucia Lima, finalizou a noite musical e fez o público dançar ao som dos ritmos regionais, como o côco de roda, o baião e a ciranda.

Os shows dos três artistas paraibanos aconteceram na Praça Antenor Navarro (Centro Histórico de João Pessoa). O evento, que prossegue até o dia 25 deste mês, é promovido pela Prefeitura de João Pessoa (PMPJ), por intermédio da sua Fundação Cultural (Funjope) e apoio do Ministério do Turismo. Neste domingo (6), no mesmo local, se apresentarão a Banda Cabruêra, o guitarrista Nuno Mindelis e a cantora Diana Miranda.

Vital – Apesar dos 15 anos de ausência dos palcos pessoenses, Vital Farias disse não ter esquecido a Capital paraibana e na ‘Kantoria dos Cem Mil celebrou a alegria, cantando várias composições que marcaram sua carreira. O artista da cidade de Taperoá (interior paraibano) dividiu o palco com convidados especiais: a filha Giovana Farias que, com uma voz suave e de formação lírica, cantou a maioria das músicas com o pai.

Já as duas filhas crianças (7 e 9 anos) cantaram uma canção sobre a preservação do Meio Ambiente: “Não jogue lixo no chão, chão é pra plantar semente, pra dar o bendito fruto pra alimentação da gente. O peixe que sai do rio, o amor que sai do peito, a água limpa da fonte, um sentimento perfeito…”.

O cantador, como Vital se intitula, fez homenagens a Elba Ramalho, ao sanfonista Sivuca, maestro Pedro Santos, dentre outros artistas que influenciaram sua carreira musical. Canções como ‘Ai que saudade de ocê’, ‘Veja Margarida’, Sete Canções para Voar’, dentre outras de sucesso que falam da esperança, crianças, do amor, agricultores e da exclusão social emocionaram o público.

Adeildo – O cantor e compositor paraibano Adeildo Vieira subiu ao palco com sua banda e fez o público vibrar com um show alto astral e cheio de balanço. Juntamente com a irmã, a cantora Dida Vieira e os músicos Gledson Meira (bateria), Leo Meira (guitarra), Jorge Negão (baixo), Jefferson dos Santos (percussão) e Helinho Medeiros (teclado), Adeildo Vieira “celebrou a música da cidade”, fazendo o público dançar os ritimos tipicamente nordestinos, como Samba de Roda, Afoxé e a Ciranda (em homenagem a Vó Mera do Rangel).

Adeildo disse que se sentia muito entusiasmado e esperançoso com a atual cena musical paraibana, visto que os artistas estão tendo espaço para mostrar a efervescência e pluralidade cultural da Paraíba. “Esse projeto, na minha opinião, já é vitorioso, pois ele proporciona a inclusão e assim como outros projetos, como o Circuito das Praças, dá o primeiro passo para uma valorização da arte e da cultura”, disse Adeildo Vieira.

Ele, que começou o ano com alguns projetos já encaminhados e outros para serem desenvolvidos, diz que está numa fase muito boa de sua vida profissional e pessoal. Já não é pra tanto, pois o artista consegue encantar com sua poesia sobre o amor e a esperança, além de ter dado umas pinceladas em composições de sucesso como Amorélio e Diário de Bordo, apresentou canções inéditas que estarão em seu novo CD, aprovado pela Lei de Incentivo à Cultura do Estado da Paraíba (FIC).

“Em breve, com o apoio da TV Cidade João Pessoa, apresentaremos também o DVD do show Chega Junto’, que realizei em novembro de 2007, no Teatro Santa Roza”, relata o cantor.

Gláucia – Com uma voz forte e bem empostada, pés descalços e grande presença de palco, a cantora Gláucia Lima contagiou a platéia com canções que traz variadas expressões da cultura popular, enfatizando ritmos regionais como o côco de roda, o baião e a ciranda. Cantando músicas como Fruta Flor e Zanzar – presentes nos CDs ‘Tanto Mistério’ e ‘Zanzar’, ambos lançados em dezembro de 2005 -, a cantora paraibana encerrou a segunda noite do projeto Estação Nordeste 2008.