Zé da Velha e Silvério Pontes são atrações do projeto Sabadinho Bom

Por - em 19

A turnê brasileira do trombonista Zé da Velha e do trompetista Silvério Pontes, patrocinada pela Petrobras, aporta no projeto Sabadinho Bom deste sábado (15), a partir das 12h. Na ocasião, a Praça Rio Branco vai ser palco do show “25 Anos de Choro e Samba Instrumental”, que os dois músicos trazem à capital paraibana. Além de trabalhos autorais, o repertório inclui clássicos de ícones nacionais como Jacob do Bandolim, Noel Rosa e Pixinguinha, entre outros artistas. A realização do projeto municipal, que acontece todos os finais de semana, é da Fundação Cultural de João Pessoa (Funjope).

O sergipano Zé da Velha começou a tocar trombone aos 15 anos de idade, sob forte influência do seu pai. Logo se aproximou dos músicos de gafieira, sambistas e chorões da Velha Guarda. O tompetista Silvério Pontes permeia na área do choro, samba e gafieira, chegando a tocar ao lado de artistas como Luis Melodia, Tim Maia e Elza Soares.

Só para citar exemplos do que o público vai ouvir, no repertório da dupla está “Bole Bole” e “Receita de Samba” (Jacob do Bandolim); “Os Oito Batutas”, “Diplomata” e “Cheguei” (Pixinguinha); “Maxixe da Família” (Silvério Pontes e Chico Nacaratti); “Feitio de Oração” (Noel Rosa); “Samba do Grande Amor” (Chico Buarque) e “Catita” (K-ximbinho). As interpretações vão ainda alcançar composições de Adalberto de Souza, Astor Silva, Hélio Nascimento, Mano Décio, Zé da Zilda e Luiz Bonfá.

Além da capital paraibana, a turnê inclui cidades de outros estados, como Rio Grande do Norte e Ceará. Na apresentação deste sábado, a dupla estará acompanhada dos músicos Alessandro Couto Cardozo, Alexandre de Andrade Romanazzi, Charlles Peixoto da Costa e Joaquim Albuquerque de Oliveira.

Álbuns – A parceria entre Silvério Pontes e Zé da Velha iniciou em 1991. Em 1995, o disco “Só Gafieira” foi indicado ao Prêmio Sharp. O segundo trabalho, “Tudo Dança”, saiu em 1999, e no ano seguinte foi apresentado ao púbico o álbum “Ele e Eu”, com repertório de choros e sambas. A dupla também gravou os títulos “Só Pixinguinha” e “Samba Instrumental Independente”.