Zizi Possi e Belle Soares encantam público em noite do ‘Som das 6’

Por - em 43

Um repertório em tom autobiográfico, mas com músicas que passeiam por compositores brasileiros consagrados e novos autores fez da apresentação de Zizi Possi um show para ficar na história do ‘Som das 6’. O resultado ficou visível diante da reação da artista no palco, que considerou a plateia “calorosa” e “afetiva”. A cantora foi a atração do evento na última sexta-feira (27), na Praça do Povo da Fundação Espaço Cultural José Lins do Rêgo (Funesc). Antes, a violinista paraibana Belle Soares pontuou a noite com músicas nordestinas e referências ao pop rock. A realização foi da Prefeitura de João Pessoa (PMJP), por meio da sua Fundação Cultural (Funjope), em parceria com o Governo do Estado.

“Nas últimas lembranças que eu tenho de João Pessoa sempre me vinha à cabeça um povo caloroso e afetivo. Mas eu não imaginava que era tanto. Estou muito emocionada por estar aqui. Muito obrigada, muito obrigada mesmo”, declarou Zizi Possi a uma plateia emocionada.

O show Cantos & Contos, que foi trazido a João Pessoa, comemora os 30 anos de carreira da artista e foi registrado em dois DVDs, lançados em 2009, pela gravadora Biscoito Fino. No palco, ela destilou a sofisticação e delicadeza do seu trabalho de intérprete em canções como “Sentimental Demais”, do repertório de Altemar Dutra, e “A Paz”, de autoria de Gilberto Gil e João Donato, que está presente também no CD Amor e Música, de 1987.

Zizi soube ainda dosar no palco interpretações intimistas mais consagradas como “Luiza”, de Tom Jobim, e “Sobre todas as Coisas”, de Chico Buarque e Edu Lobo. Nesse momento, destaque para o percussionista Guillherme Kastrup, que está em sua banda e também participou da turnê Essa Boneca Tem Manual, de Vanessa da Mata.

Ao mesmo tempo, Zizi conseguiu visitar autores mais recentes com a mesma intensidade em “Nada pra mim”, de Ana Carolina e John Ulhoa. A artista ainda teve fôlego para pinçar o Nordeste, em “Amor da Minha Vida”, de Luiz Gonzaga, e “Sabiá”, do Rei do Baião e Zé Dantas. Um dos ápices da participação do público aconteceu na interpretação de “O que é?”, de Gonzaguinha.

Em um determinado momento da apresentação, quando o público começou a aplaudir com mais intensidade no final de uma canção, a dama da delicadeza pegou uma câmera para gravar a reação da plateia e colocar no blog. Essa interação com João Pessoa também ficou explícita quando Zizi Possi fez referência ao restabelecimento de sua saúde, depois de um problema grave de coluna. “A medicina está muito avançada. Mas chega uma hora em que ela faz tudo o que tinha que fazer. É a energia das pessoas, esse universo do palco, que traz muita força nessa recuperação. Foi um dos shows em que senti isso com mais intensidade”, confessou a artista.

 

A outra atração da noite foi a violinista Belle Soares. Ela executou no palco um repertório com pot-pourri de músicas nordestinas variando com o estilo pop rock. No show “Belle Soares Por do Sol” ela deixou nas entrelinhas a inspiração do seu trabalho na violinista mundialmente famosa, Vanessa Mãe. Com tanta sensibilidade, essa musicista paraibana vem se destacando no cenário artístico nacional pontuada por uma performance inovadora, agregando o canto e a dança ao seu talento instrumental.