Parque Zoobotânico

Arruda Câmara

 

Arruda Câmara

Natural da cidade de Pombal na Paraíba, quando a mesma se encontrava agregada a Capitania de Pernambuco, e que por isso também lhe disputava a naturalidade.

Frade Carmelita, Filósofo, Médico formado pela Universidade de Montpellier, na França, que percorreu boa parte do Nordeste para como Botânico, pesquisar a flora brasileira, firmando sobre ela admirável obra. Percussor do método de ensino naturalista, criou a escola de onde descenderam os paraibanos Melo Leitão e Lauro Xavier. Desfrutava de elevados círculos científicos estrangeiros.

Arruda Câmara ainda publicou as seguintes obras: Memória sobre a cultura do algodoeiro, Tratado de agricultura e Tratado de Lógica, trazendo para o vernáculo a Insetologia de Leusier. Com toda essa potencialidade,  Arruda Câmara ocupou a cadeira nº 02 da Academia Paraibana de Letras onde hoje é patrono da mesma, ocupada por Adylla Rocha Rabelllo e a cadeira nº 09 do Instituto Histórico e Geográfico Paraibano (IHGP) onde hoje também é patrono da mesma ocupada por Maria José Teixeira Lopes Gomes.

Chegou a Pernambuco no final do século XVIII e teve muito a ver com as inquietações do novo século. Fundou em 1796 o famoso Areópago de Itambé, nas fronteiras da Paraíba com Pernambuco,   associação secreta Centro-Maçônica, a primeira do Norte do Brasil, a fim de propagar idéias de liberdade.  Arruda Câmara fez ali a tribuna de sua propaganda das novas idéias e para  isso reuniu um pequeno grupo de seguidores. Entre eles, estavam os irmãos Francisco e José de Paula, que foram denunciados em 1801 por tramarem uma conspiração para formar em Pernambuco uma República Independente, sob a proteção de Napoleão Bonaparte. Os irmãos eram Senhores do engenho Suassuna, em Jaboatão e daí surgiu o nome do movimento: Conspiração dos Suassuna. As diversas revoluções sobretudo de 1817, foram frutos de sua doutrinação. Constituiu junto com o também frade João Ribeiro Pessoa, a Academia Paraíso, centro de instrução e difusão das idéias liberais, no qual o Frei Caneca, líder e mártir da Confederação do Equador, foi integrante. Não se tem data precisa, entretanto, morreu provavelmente em 1810, como professor do Convento Carmelita com nome de Frei Manuel do Coração de Jesus.

Jair Azevedo
Diretor do Parque