Coronavac

Profissionais da saúde relatam sensação de alívio e segurança após vacina

21/01/2021 | 15:30 | 921

Duas palavras são recorrentes no discurso dos profissionais da área de saúde quando o tema é vacinação contra a covid-19: alívio e segurança. “A vacina tira um peso das costas dos profissionais de saúde, que agora poderão trabalhar mais aliviados. Fiz diversos testes com receio de ser assintomático e mesmo testando negativo sempre ficava aquela apreensão. Agora temos uma sensação um pouco maior de segurança”, relata o médico Lucas Sarmento Filho, que atua na clínica médica do Hospital Municipal Santa Isabel.

O médico conta que durante os últimos meses teve que redobrar os cuidados ao entrar em contato com os familiares, pois o receio de transmitir o vírus sempre estava presente. Entretanto, mesmo comemorando, Sarmento sabe que com o início da vacinação não é a hora para relaxar em relação aos cuidados para evitar a contaminação.

“A vacina agora é uma esperança, mas a gente sabe que não pode baixar a guarda. Sabe-se que a vacina tem eficácia de 50%, mas que para casos graves ela tem uma boa cobertura, então a gente está mais aliviado. Podemos trabalhar mais tranquilos com a certeza de que daqui a alguns meses estaremos todos protegidos contra essa nova doença”, alerta Lucas Sarmento.

Para o médico, o dia de ontem foi uma data muito especial para os profissionais de saúde. Ele que trabalha desde abril com pacientes que contraíram covid-19, o principal problema é que ninguém sabia muito bem como a doença se comportava. “Eu sou uma pessoa saudável, mas vi colegas jovens e muito saudáveis adoecerem e irem para UTI”, lembra.

Sempre alerta – O enfermeiro Rodrigo Lins Gomes de Lima, que trabalha no Samu, não descuidou da prevenção em nenhum momento durante a pandemia. Ao chegar em casa do trabalho, tomava banho do lado de fora para evitar contaminação. Mas, mesmo com todos esses cuidados, em abril do ano passado, ele contraiu a covid–19, foi entubado, precisou ficar na UTI e enfrentou uma internação de 14 dias antes de voltar pra casa.

“Mesmo tomando precauções a mais como, por exemplo, tomar banho de álcool com sabão antes de trocar a roupa de trabalho, acabei me contaminando. Não podemos relaxar, essa doença mata! Quando estou na rua e vejo jovens sem máscara sempre conto minha história como alerta”, relata.

Lima conta que, enquanto tomava banho após voltar do trabalho, sentiu uma falta de ar muito forte e começou a se debater. Naquele instante ele pensou que fosse morrer. “Eu disse pra minha esposa: eu vou morrer, eu não estou conseguindo respirar. Dei um plantão normal e chegando em casa já estava com 40 graus de febre, então liguei para os colegas do Samu”, relata.

O município de João pessoa recebeu neste primeiro lote 15.191 doses da coronavac. Na última quarta (20) e nesta quinta-feira (21), foram contemplados com a campanha de vacinação os Hospitais Municipais Santa Isabel, Valentina Figueiredo, Hospital Clementino Fraga, Hospital Universitário Lauro Wanderlei (HULW), Unimed, UPAs Bancários, Cruz das Armas, Valentina e Oceania, o Samu-192, Maternidade Frei Damião, Hapvida, Memorial São Francisco e Nossa Senhora das Neves.