Personalidades

Secitec realiza live sobre interação humano computador nesta quarta-feira

27/07/2021 | 20:30 | 529

A Prefeitura de João Pessoa realiza nesta quarta-feira (28), a partir das 19h, através da Secretaria de Ciência e Tecnologia (Secitec), mais um episódio da série Personalidades Acadêmicas. Sob o título “Eu sei o que você está pensando: interfaces cérebro máquina e a interação humano computador”, o evento online conta com a participação do professor Valdecir Becker e os pesquisadores do Laboratório de Interação e Mídia da UFPB (LIM), incluindo o diretor de Difusão Tecnológica Edvaldo de Vasconcelos. Será possível acessar o evento pelo canal da PMJP no Youtube no link: https://youtu.be/xA6EqeOIVek.

Na live, serão mostrados, além da ideia por trás do uso de interfaces cérebro-máquina na interação humano-computador, exemplos de aplicações possíveis no nosso dia a dia. Também serão apresentados em detalhes projetos em desenvolvimento no LIM, como o uso de interfaces para melhorar a recomendação de conteúdos audiovisuais e avaliar obras de arte.

“É importante para a sociedade conhecer as pesquisas de tecnologia de ponta realizadas aqui em João Pessoa e, também, saber que no dia a dia a interação com máquinas é necessária e eficaz na realização de serviços”, afirmou o diretor de Difusão Tecnológica Edvaldo de Vasconcelos.

Interfaces – As interfaces cérebro-máquina, ou cérebro-computador, se tornaram comuns na área da saúde e cognição, onde leituras de ondas neurais, usando eletroencefalograma (EEG), são utilizadas com os mais diversos fins. Alguns exemplos são a identificação de problemas psiquiátricos ou a restauração da visão, audição, movimento, capacidade de comunicação ou mesmo a função cognitiva de uma pessoa incapacitada. Também são muito utilizadas em jogos. Junto com a realidade virtual, deixam os ambientes mais realistas, com interação natural.

Essa tecnologia representa atualmente a forma mais eficiente de comunicação entre o ser humano e as máquinas. Na interação das pessoas com os computadores, as interfaces cérebro máquina podem substituir o uso dos mouses ou toques nas telas.

O funcionamento é relativamente simples: sensores colocados no couro cabeludo identificam padrões de pensamento, emoções e sentimentos, que são traduzidos para linguagens de computadores. Essas informações podem ser usadas para diversas finalidades, como abrir um site, tocar uma música, mudar o volume, saber se a pessoa está gostando de uma obra de arte ou de um filme. Pode-se, inclusive, sugerir filmes e músicas baseado no que a pessoa gostou ou não de ver ou escutar.