Balanço do ano

‘Tardezinha Inclusiva’ fecha o ano de 2023 promovendo inclusão social com autistas, T21 e cadeirantes

24/12/2023 | 14:00 | 490

A Fundação Cultural de João Pessoa (Funjope) comemora, neste mês de dezembro, dois anos da Tardezinha Inclusiva, um dos braços do projeto Somos Capazes – Inclusão Social pela Arte e pela Cultura. A iniciativa, realizada em parceria com a Associação Paraibana de Autismo (APA) e Turma Tá Blz, conseguiu reunir, a cada mês, uma média de 500 crianças no Centro Cultural de Mangabeira.  

“Esta ação é extremamente importante para nossa equipe da Funjope pelo seu aspecto inovador, mas, sobretudo, pela dimensão social que ela tem hoje. Estamos mostrando, ao longo destes dois anos, que é possível promover a interação social e inclusão de pessoas autistas por meio da arte e da cultura. Muitas destas famílias nos contam que seus filhos não tinham, às vezes, nem para onde ir. A Funjope criou um ambiente de vivência e interação para as pessoas autistas”, declara o diretor executivo da Funjope, Marcus Alves.  

Desenvolvida para atender o público autista infantil, T21 e cadeirante, a Tardezinha Inclusiva apresenta uma série de atrações e atividades que envolvem essas crianças e contribuem para que elas se tornem mais independentes, que interajam e se sintam incluídas de fato.  

“Este foi mais um ano inovador e não foi tão diferente de 2022 porque, desde que nós iniciamos o projeto, mantemos o mesmo cuidado de atingir o maior número de crianças com qualidade. Em 2023, nós avançamos mais com a questão dos piqueniques, cinema, fizemos mais eventos extras. Porém, a qualidade é a mesma e a quantidade de pessoas só aumentou”, avalia Hosana Carneiro, presidente da APA.  

Para Nik Fernandes, uma das organizadoras da Tardezinha Inclusiva, 2023 foi um ano muito positivo para o projeto. Ela lembra que já havia a experiência do ano anterior para conhecer, cada vez mais, as necessidades das pessoas que vão ali. Ressalta ainda que hoje a Tardezinha não recebe só crianças, mas também adolescentes e, por isso, sempre são pensadas ações que chamam a atenção de todas as idades.

“Sabemos que entre as características centrais do autismo estão a dificuldade de comunicação e de interação social. Quando pensamos em ação, buscamos algo que faça com que essas crianças sintam vontade de ir para lá, de sair de casa. Hoje, elas chegam e é como se estivessem em casa porque estão seguras e sabem que a Tardezinha é deles”, frisou.  

Nik recorda que, dois anos atrás, elas chegavam e não passavam da porta. Hoje descem do ônibus e já cumprimentam, entram e sabem o roteiro do que vai acontecer. “Fizemos também muitas parcerias boas em 2023 que vieram acrescentar e enriquecer a Tardezinha Inclusiva, que é uma ação cultural, de ajuda e de parceria. A Tardezinha é isso, porque ninguém faz nada sozinho”, acrescentou.  

Só na última edição de dezembro, foram nove ônibus de comunidades como Cuiá, Muçumagro, Padre Zé, Cristo, Bancários, Cabedelo, Santa Rita e Mamanguape.  

Além da Tardezinha Inclusiva, o projeto Somos Capazes levou as crianças para três edições do Piquenique Inclusivo, duas no Parque Solon de Lucena e uma no Parque Arruda Câmara, a Bica, além de uma sessão especial de cinema, um passeio no Shopping Liv Mall e também no Game Station, do Manaíra Shopping.